Tradutor

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Teologia da Conformidade 274
Praticando a palavra no dia a dia- Aqueles que dormem!
Pelo que diz: Desperta, ó tu que dormes, levanta-te entre os mortos, e Cristo te iluminará.” Ef 5;14
As exortações do apostolo Paulo para aqueles que dormem, tem haver com aqueles que um dia foi iluminado e não conseguiram permanecer na fé e voltaram às velhas praticas do homem natural.   
A exortação de Paulo era para aqueles que insistiam em praticar as obras infrutíferas das trevas. “Portanto, vede prudentemente como andais não como néscios, e sim como sábios, remindo bem o tempo, porque os dias são maus.” Ef 5; 15 e 16
Sabemos que temos uma batalha diária contra carne e o mundo que insistem em se rebelar contra a vontade de Deus. E alguns não resistem à pressão e sucumbe.
Paulo exortava que andássemos com prudência, remindo bem o tempo.
Para aqueles que dormem a exortação de Paulo ter haver em vigiar em relação à  vinda repentina do Senhor como “ladrão de noite”.
Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que esse Dia como ladrão vos apanhe de surpresa; porquanto vós todos sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite, nem das trevas. Assim, pois, não durmamos como os demais; pelo contrario, vigiemos e sejamos sóbrios.” 1 Ts 5; 4 a 6
Chegamos à conclusão que aqueles que dormem, está despercebido com que está acontecendo. Está alheio a real situação, de sua vida espiritual diante de Deus.
São aqueles que insistem em andar de acordo com o mundo e serem cumplices com as suas obras e se ocuparem com os cuidados desse mundo, do que em agradar a Deus a fazer a sua vontade.
São aqueles que ainda controlam sua vida, e as suas prioridades estão em primeiro lugar.
Eis a razão por que entre vós muitos fracos e doentes e não poucos que dormem. Porque se julgássemos a nós mesmos, não seriamos julgados. Mas, quando julgados, somos disciplinados pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo.” 1 Co 11; 30 a 32
Para aqueles que vivem na luz, entendem que a sua vida sem Cristo, estava desajustada, pois tudo que se fazia era proveniente do nosso pensamento, guiado pelo “deus” desse século. Vivíamos em total rebeldia diante de Deus. Tínhamos uma vida “independente”, sobre o nosso controle.
Deus requer de nós que sejamos totalmente dependentes dele. É por isso que tem pessoas, que estão na igreja, porém, são aquelas que dormem iludidas, pensando que estão fazendo a vontade de Deus, porém, ainda estão em desobediência, tanto quanto os incrédulos.
Deus requer de cada um de nós, que venhamos abrir mão da nossa independência e passarmos a ser totalmente dependente de Cristo Jesus. Tudo tem que está no controle de Cristo Jesus em todas as áreas: familiar (relacionamento familiar), uso do tempo, uso do dinheiro, relacionamento com os homens e irmãos e o trabalho.
É preciso que em tudo seja apresentado diante de Deus, e que o Espirito Santo venha sondar se as nossas intenções procedem de um coração sincero. Devemos sim vigiar, para que as nossas motivações sejam verdadeiras e de acordo coma vontade soberana de Deus.
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges



sábado, 11 de fevereiro de 2017

Teologia da Conformidade 273
Praticando a palavra no dia a dia- Aprimorando no Amor!
Acima de tudo isto, porém, esteja o amor, que é o vínculo da perfeição.” Cl 3;14
O cristianismo tem como base a Cristo Jesus, a pedra angular. E a plenitude da manifestação de Cristo Jesus está no amor.  
Só o amor pode neutralizar a ação maléfica das trevas que hoje no mundo impera e tem a sua ação nefasta destruindo vidas.
Deus, Pai demonstrou esse grande amor: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo que nele crê na pereça, mas tenha vida eterna”. Jo  3; 16 
Jesus Cristo sempre pregou o amor. E um das características do reconhecimento dos seus seguidores seria o amor: “O meu mandamento é este; que vós ameis uns aos outros, assim como eu vós amei.” Jo 15; 12
Uma das características de reconhecimento de um discípulo de Cristo é o amor.
Jesus disse que o primeiro e grande mandamento é amar a Deus de todo o coração, alma e entendimento; e o segundo, semelhante a este é amar ao próximo como a si mesmo. Este dois mandamentos são, portanto, a base da vida cristã.
Em 1 Jo 4; 7 e 8 diz: “Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus; e todo o que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.”
Se não amamos o nosso próximo, o apostolo João nos diz que não conhecemos a Deus! É impossível conhecer a Deus sem viver o amor. Isso porque Deus é amor. É preciso que pratiquemos o amor. E isso é obra do Espirito Santo nos nossos corações. Pois, para o homem natural é impossível!
Porém, Jesus mesmo disse que amor iria esfriar de muitos nos fins dos tempos. “E, por se multiplicar a iniquidade, o amor se esfriará de quase todos.” Mt 24; 12
Quando há proliferação das trevas, a iniquidade aumenta e está faz com que o amor venha esfriar. Presenciamos continuamente a iniquidade se multiplicar e a proliferação do ódio se multiplicar. As pessoas a cada dia se escandalizam com que está acontecendo no mundo, onde as injustiças estão sendo cometidas, e presenciamos tudo em tempo real pelos meios de comunicação.
Quando passamos a compreender da importância do amor, para que toda treva se dissipe e a luz venha a iluminar os corações dos homens, compreendemos a real ação do amor.
É preciso que a Igreja use da sua maior arma contra ação do maligno neste planeta que é amor.
Sabemos que para o homem natural o amor é algo estranho, não natural. Para o homem natural o amor que ele conhece é o amor carnal, a paixão carnal, onde dá vasão as suas concupiscências. Porém, o amor de Deus, este vem do alto só é conhecido através do Espirito Santo quando este habita no coração dos resgatados.
Para se conseguir este amor é preciso conhecer a Jesus e aceita-lo como Senhor e Salvador. O Espirito Santo passa agir no coração do homem resgatado e o sangue de Cristo Jesus o purifica de todos os pecados. O Espirito Santo passa a conscientiza-lo do pecado, da justiça e do juízo. (Jo 16; 8)
Sendo assim, o homem resgatado passa a conhecer outra dimensão que outrora lhe era desconhecido. Passa a buscar as coisas do alto, passa a pensar nas coisas do alto. Começa assim, a sua libertação das coisas terrenas.
O apostolo Paulo sempre exorta que libertássemos das coisas terrenas. “Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e a avareza que é idolatria. Agora, porém, despojai-vos, igualmente, de tudo isto: ira, indignação, maldade, maledicência, linguagem obscena de vosso falar. Não mintais uns aos outros, uma vez que voz despiste do velho homem com seus feitos e vos revestistes do novo homem que se refaz para o pleno conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou.” Cl 3; 5; 8 a 10
Todo esse processo é feito por Deus. “Porque é Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade.” Fp 2;13
Para isso, basta pedir. “E esta a confiança que temos para com ele: que, se pedimos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve. E se sabemos que ele nos ouve quanto ao que lhe pedimos, estamos certos de que obtemos os pedidos que lhe temos feitos.” 1 Jo 5; 1; 14 e 15
– Ora! Deus deseja que sejamos a imagem de seu Filho Jesus. Deus deseja que vivamos na pratica do amor e que sejamos libertos da nossa natureza terrena caída do homem natural. Sendo assim, quando pedimos tais coisas, Ele nos ouve e nos atende por ser da sua vontade.
Busquemos tais coisas do alto, como fruto do Espirito: “Amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fé, mansidão e domínio próprio.” Gl 5; 22 e 23
Pois aqueles que são de Cristo Jesus crucificaram a carne com suas paixões e concupiscências”. Gl 5; 24
Se vivemos no Espirito, andemos no Espirito”. Gl 5; 25
Para que tenhamos o amor de Deus em nossa vida e a prática desse amor, só será possível se vivermos no Espirito e andemos no Espirito.
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges



sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Teologia da Conformidade 272
Praticando a palavra no dia a dia- Confrontando a Palavra!
Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para ensino, para a repreensão, para a correção, para educação na justiça, a fim que o homem seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.” 2 Tm 3; 16 e 17
Não existe na face da terra maior questionamento do que da Palavra de Deus. O que já foi feito para desacredita-la e dizer que ela está ultrapassada e obsoleta; tais afirmações vêm principalmente daqueles que se dizem religiosos cristãos e líderes religiosos.
Quando mais o homem questiona, mas a Palavra se torna atual e única!
O apostolo Paulo escrevendo para seu filho na fé Timóteo, exortava que ele continuasse a se aprimorar na palavra. Quando Paulo afirma que toda Escritura é inspirada por Deus e útil para ensino, ressalta assim, a necessidade que o povo de Deus deve ser ensinado. Com que finalidade?
Primeiro para repreensão e correção. Ora! A repreensão é algo benéfico e serve para que aquele que está sendo instruído seja advertido em relação algum ato praticado por ele, reprovando o seu proceder e as suas atitudes. Há sim, necessidade de uma correção nas suas atitudes e praticas.
Comumente somos repreendidos por nossos atos, quando estes não estão de acordo com Palavra de Deus. O Espirito Santo que nos instrui, ensina e mostra o caminho, nos alerta em nossas consciências que o nosso proceder está sendo reprovado.
O nossos atos e proceder devem ser de acordo como a Palavra de Deus nos ordena. Quando estávamos no mundo as nossas atitudes e proceder eram moldados pelos nossos pensamentos e pelas motivações carnais. Porém, quando tivemos um encontro com o Senhor Jesus, o que antes era comum e corriqueiro para nós, precisou ser mudado.  A mudança deve ser radical quando envolve costume estes, que são contrários o que a Palavra de Deus diz. Esses precisam ser corrigidos.
A Palavra de Deus que é a nossa bussola e nosso referencial para nossas vidas.
Pois, a Bíblia por ter sida inspirada por Deus, (sendo a tradução grega literal – theopneustos - “soprada por Deus”), exorta que seja observada e obedecida.
O apostolo Pedro diz que nenhuma profecia foi proferida pela vontade dos homens, onde homens falaram em nome de Deus pela inspiração do Espirito Santo. ( 2 Pe 1; 21)
É fato que muitas das profecias que estão na Bíblia cumpriam-se literalmente como foram escritas.
Outra característica da Palavra de Deus é que ela serve para educar para justiça. Serve também, para advertir e ensinar a todo homem em toda sabedoria, a fim de que apresentemos todo homem perfeito em Cristo (Cl 1;28). Pois através da Palavra de Deus, o homem passa a conhecer a Deus e seu caráter.
A Finalidade da Palavra de Deus é de transformar o homem natural em filho de Deus à imagem e semelhança de Cristo Jesus.
Paulo exortava que aqueles que tiveram um encontro com Cristo se despisse do velho homem. “Não andeis mais como andam os gentios, na vaidade de seus pensamentos, obscurecidos de entendimento, alheios a vida de Deus por causa da ignorância em que vivem, pela dureza do seu coração, os quais, tendo-se tornado insensíveis, se entregaram a dissolução para, com avidez, cometerem toda sorte de impureza.” Ef 4; 17 a 19 – Paulo continua a exortar – “Fostes instruídos segundo a verdade em Jesus. No sentido de que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe segundo a concupiscência do engano, e vos renoveis no espirito do vosso entendimento, e vos revistais do novo homem, criado segundo Deus, em justiça em retidão procedente da verdade”. Ef 4;  21 a 24
O velho homem, escravo do pecado, através da Palavra de Deus, sofre um processo de renascimento em um novo homem em justiça em verdade.
É a Palavra de Deus que traz fé a este homem.
É a Palavra de Deus que o purifica e lhe dá conhecimento de Deus.
É a Palavra de Deus que o justifica e o liberta das praticas do velho homem.
Disse Jesus: Conhecerei a verdade e a verdade vos libertará. (Jo 8;32)
A Palavra de Deus que tem poder para transformar um homem caído, escravo do pecado, e dos vícios em um novo homem, criado segundo Deus, segundo a imagem de Cristo Jesus.
A Palavra de Deus traz à consciência do homem, o pecado e a sua situação deplorável.
Ela constrange e confronta, para que ele veja a sua real situação de homem caído escravo das suas paixões e pensamentos.
A Palavra de Deus traz renovação, esperança e justiça a esse homem, transformando em um novo homem que se refaz para o pleno conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou.
Resgata esse homem de um fim terrível de derrota e fracasso e o leva a ser um vencedor em Cristo Jesus.
A Palavra de Deus tem o poder de transformar as pessoas, e mudar as suas atitude e proceder. Não existe nenhuma outra palavra que tenha tal poder na face da terra. Alguns podem dizer que o conhecimento do Islamismo, budismo, ou mesmo hinduísmo tem o mesmo poder do que a Palavra de Deus, a Bíblia. Porém, esses homens continuaram a serem escravos das suas paixões e dos seus pecados. Tais conhecimentos são apenas engano do Maligno.
A única palavra que nos leva ao conhecimento de Cristo e nos dá a verdadeira paz e nos leva até o Pai, o Deus criador dos céus e da terra é a Palavra de Deus, contida na Bíblia Sagrada.
Halleluyah!
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges



sábado, 28 de janeiro de 2017

Teologia da Conformidade 271
Praticando a palavra no dia a dia- Em busca da unidade!
“Completai a minha alegria, de modo que penseis a mesma coisa, tenhais o mesmo amor, sejais unidos de alma, tendo o mesmo sentimento.” Fp 2; 2
Temos assim, a fórmula para vencer as adversidades e a luta contra as trevas e o maligno e seus demônios.
Jesus mesmo nos alertava: “Todo reino dividido contra si mesmo ficará deserto, e toda cidade ou casa dividida contra si mesma não subsistirá.” Mt 12; 25
O inimigo usa desta estratégia para tornar vulnerável toda e qualquer situação. Num país, numa cidade ou mesmo numa casa, colocando um contra outro e todos contra todos.
Mesmo com alerta da Palavra de Deus, presenciamos na igreja esta estratégia em ação causando divisão, facção e dissenção. Cada um quer que seu ponto de vista prevaleça.
Quando Paulo exortava os filipenses: “Completai minha alegria!” – e os exortava que pensassem a mesma coisa, que tivessem o mesmo amor, unidos na alma e tendo o mesmo sentimento, ele estava dando a fórmula que eles vencessem as adversidades, pois o inimigo não poderia prevalecer se eles estivessem unidos.
Sabemos que uma nação dividida, uma cidade dividida, ou mesmo uma casa dividida, os propósitos não irão se estabelecer. Pois as dificuldades serão muitas, pois não há consenso. E sem consenso nada se resolve. Esta é a estratégia que o inimigo usa, para que haja o caos e nada venha acontecer para que as pessoas comecem a se de gladiar entre si.
Quando um ministério está dividido, as coisas andam com muita dificuldade, ou às vezes nem andam. Por isso o apostolo Paulo exortava aos filipenses: “Nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo.” Fp 2; 3
Então, como se neutraliza a estratégia do diabo?
O apostolo Paulo nos dá a receita. Nada faça por partidarismo ou vanglória. Não crie divisão, porém, busque o consenso. Neste momento o que importa é o objetivo que se quer conseguir. Muitas das vezes deixamos nos levar pela vaidade pessoal e queremos que as pessoas aceitem o nosso ponto de vista. Devemos ceder e entrar em consenso e aceitar a melhor estratégia. Se o nosso ponto de vista não foi aceito. Paciência! Devemos fazer como Paulo nos diz: Seja humilde, considere os outros superiores a si mesmo. Busque a unidade, ceda para bem de todos!
O que importa é que estejamos unidos, no mesmo amor, no mesmo sentimento e na mesma alma. Agindo assim, a vitória é certa e o poder das trevas não prevalecerá.
Se todos os ministérios deixassem os seus particulares pontos de vista e passassem a centrar naquilo que é essencial, comum e consenso entre todos, que é a pessoa de Jesus Cristo, Senhor e Salvador, as nações, regiões e cidades seriam conquistadas pelas boas Novas do Evangelho.
Sabemos que existem muita divisão, muita facção e muitas heresias que foram causadas pelo diabo e seus demônios que dificultam que as boas novas do Evangelho sejam conhecidas.
Para se conseguir consenso em um mundo onde cada um pensa apenas em si é algo difícil e custoso. Pois cada pessoa busca o seu próprio interesse e exalta a sua individualidade, onde o seu modo de pensar venha prevalecer sobre os demais.
As próprias empresas chegaram à conclusão que o trabalho em equipe é muito mais proveitoso do que o trabalho individual. Hoje elas procuram pessoas que gostem de trabalhar em equipe, pois o trabalho rende muito mais.
As pessoas individualista e egoísta são péssimas no trabalho de equipe, gerando no grupo conflitos que prejudicam o trabalho e o objetivo não é atingido.
O individualismo é letal também quando num relacionamento a dois. Quando não há consenso entre os dois à probabilidade de a relação fracassar é muito grande.
Por isso vemos casamentos fracassados, pois ninguém quer ceder. Vemos famílias divididas. Pai contra filho e filho contra pai. A desunião. Impera nas casas. Ninguém se entende. Pois deixaram que a divisão, a facção penetra-se no seio familiar.
Como já mencionamos, esta é a estratégia do diabo para causar fragilidade, fracasso e derrota.
O Senhor Jesus nos deixou o principio para neutralizar essa estratégia do diabo, que é a busca da Unidade: “Em verdade, também vós digo que, se dois dentre vós, sobre a terra, concordarem a respeito de qualquer coisa que, porventura, pedirem ser-lhe-á  concedida por meu Pai que está nos céus. Porque onde estiverem dois ou três reunidos no meu nome, ali estou no meio deles”. Mt 18; 19 e 20
Quando percebemos que está havendo desunião, conflito e a dificuldade em se chegar a um consenso; usamos a Oração da Unidade e nome de Jesus, oramos para que espirito maligno que está operando nesta situação saia em nome de Jesus.
Verificamos que de repente as pessoas passam a ser mais solidarias e solícitas umas com as outras e a paz passa a reinar neste ambiente.
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Teologia da Conformidade 270
Praticando a palavra no dia a dia- A pratica da generosidade!
A alma generosa prosperará, aquele que satisfaz os outros satisfará a si mesmo.” Pv 11;25
As pessoas tem se tornado cada vez mais egoístas, apenas pensando em si mesmas.
Numa sociedade onde o materialismo, consumismo e as vaidades estão em destaque, às pessoas são medidas por aquilo que tem e possui; e deixam de prestar atenção nas pessoas e nas suas dificuldades. O amor ao próximo, como mandamento, é apenas uma frase de efeito, esvaziada e sem sentido para muitos.
Jesus afirmava em sua palavra que uma das características dos finais do tempo seria que amor iria esfriar: “e o amor de muitos esfriará por causa do crescente distanciamento da Palavra.” Mt 24; 12
Conforme a apostasia toma corpo e os escândalos se multiplicam nos ministérios cristãos, as pessoas passam a se distanciar da Palavra de Deus. E com esse distanciamento, o temor de Deus, começa esfriar. Devido a isso, por consequência, o amor também esfriará. 
A mídia vinculou que apenas oito pessoas mais ricas do mundo tem patrimônio de 3,6 bilhões de pessoas, a metade mais pobre da humanidade, que detém 0,25% da riqueza global rica, acentuando a desigualdade econômica extrema - Fonte Forbes/ Credit Suisse Wealth Report 2016
As nações preferem construir armas de destruição em massa, gastando bilhões de dólares do que produzir alimentos para população carente, onde milhões de pessoas morrem de fome e passam necessidade extrema. Assistimos isso, na televisão, praticamente todos os dias, passando isso a ser corriqueiro e comum. Ficamos insensíveis ao clamor dessas pessoas. A dor delas e os seus sofrimentos. Os governos desses países, por sua vez, criam dificuldades, para que ajuda não chegue para aqueles que precisam.
E algumas igrejas muitas vezes preocupadas, apenas com seus próprios problemas de como arrecadar mais e de como construir “mega-templo”, para com isso ostentar perante os demais ministérios, a sua influencia e seu poder esquece o mandamento básico de atender o pobre o necessitado. “E os coluna da Igreja, Tiago, Cefas e João recomendaram a Paulo que somente lembrasse-se de atender os pobres, o que também me esforcei em fazer.” Gl 2; 10
O fundamento da arrecadação de dízimos e ofertas tem como finalidade principal, atender, o pobre, a viúva e órfão. Como também aqueles que prestam serviço ao altar.
Presenciamos assim, o desvio da finalidade de arrecadação daqueles que ofertam para fins não compatíveis com a Palavra de Deus.  
Porém, fazendo uma reflexão sobre o homem natural; esse não lhe é próprio ser generoso ou mesmo demonstrar bondade. Jesus sempre enfatizava: “Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dadivas aos vossos filhos”. Lc 11; 13 – O homem por causa do pecado, a sua motivação é para o mau e não o bem.
Sendo assim, a generosidade e algo divino, inspirada por Deus. Refere-se à inclinação de dar e partilhar acima de qualquer interesse ou utilidade. Trata-se de uma virtude e um valor positivo que se pode associar ao altruísmo, à caridade e à filantropia.
A pessoa que é generosa quer partilhar, repartir ou distribuir o que tem com aqueles que são menos favorecidos. O seu comportamento tem por base reconhecer as necessidades do seu próximo e tratar de satisfazer dentro das suas possibilidades. Nada mais é do que o cumprimento do segundo mandamento que Jesus mencionou: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”. Mt 22;39 –
A generosidade não está unicamente associada ao dinheiro ou aos bens materiais. Um indivíduo pode ser generoso com o tempo de que dispõe e dedicar-se a causas solidárias, sem pedir nada em troca. Tem pessoas que se dedicam a cuidar de um doente ou de um idoso. Dar abrigo, alimento, visitar os encancerados. Tudo isso é louvável diante de Deus. Quando existe a generosidade de um grupo de pessoas toda sociedade é influenciada por essa prática. E isso traz um bem estar a todos. Aqueles que fazem e aqueles que recebem.
Precisamos sempre estar atentos, para que tais gestos, não venham a ser vistos pelas pessoas como algo para aparecer perante elas. Disse Jesus: “Quando, pois, deres esmola, não toque trombetas diante de ti, como fazem os hipócritas, nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam a recompensa. Tu, porém, ao dares a esmola, ignore a tau mão esquerda o que faz a tua direita; para que a tua esmola fique em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará.” Mt 6; 2 a 4
Aquele que verdadeiramente exerce a generosidade, não pretende qualquer recompensa pelas suas ações, pois a faz por achar que é correto e justo.
Se as pessoas praticassem a generosidade e doassem parte de seus recursos materiais ou mesmo praticassem a solidariedade para com seu próximo, o mundo seria um lugar melhor.
Deus ama aquele que é generoso e dá com alegria. Deus pode fazer abundar, a fim de que, tendo sempre, em tudo, ampla suficiência, superabundeis em boas obras. (2 Co 9; 7 e 8).
Deus amou o mundo tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. Jo 3;16
Essa é máxima da generosidade de Deus para com a humanidade.
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges



sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Teologia da Conformidade 269
Praticando a palavra no dia a dia- O Culto racional!
Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.” Rm 12;1
 Ao se falar em “culto racional”, achamos que isso consiste em cultuar a Deus como comumente temos presenciado nos diversos ministérios, onde se segue um mesmo modelo de liturgia. Porém, o que o apostolo Paulo está se referindo trata-se de algo que tem haver como o nosso corpo em apresenta-lo como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus. Paulo está referindo como devemos nos portar e mesmo nos apresentar diante do mundo e das pessoas.
No versículo seguinte temos: “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação de vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa agradável e perfeita a vontade de Deus.” Rm 12;2
É preciso ocorrer em cada um de nós a “renovação da mente”, pois isso tem haver com o culto racional mencionado.
É muito compreensível a necessidade de se renovar a nossa mente, pois quando outrora vivíamos no mundo sob o jugo do diabo, a nossa mente era governada por nossa vontade e os nossos prazeres, em como agradar a nós mesmo, fazendo a vontade da carne e do inimigo.
Quando, Jesus entrou em nossa vida e recebemos seu Senhorio as coisas mudaram de padrão. Passamos, assim a ter um novo Senhor e um novo jugo. O nosso proceder deverá ser modificado de acordo com essa realidade. Não podemos de modo algum proceder como procedíamos antes. Porém, sabemos que isso não é fácil, pois os velhos hábitos e a velha maneira de ser continuam atuando em nossos sentidos. Temos também como inimigo a carne que sempre nos leva no sentido contrario. 
Passa a existir uma luta interna entre o espirito e a carne. Paulo mesmo passou por isso quando se refere a tal situação quando afirma: “Porque nem mesmo compreendo o meu próprio modo de agir, pois não faço o que prefiro, e sim o que eu detesto,” Rm 7;15
Não é nada natural para homem natural cultuar a Deus e sim, cultuar a si mesmo.
Sabemos que existem duas realidades que devemos encarar. Existem dois reinos, dois senhores, dois caminhos e duas eternidades.
Cada pessoa precisa tomar a sua decisão qual senhor quer servir. Não nascemos no Reino de Deus, não nascemos com a capacidade de servi-lo. O espirito de rebelião, gerado pelo pecado é perceptível em nossos sentidos.
Para servir a Deus é necessário aceitarmos como Senhor e Salvador a Jesus Cristo. É preciso trilhar por um caminho estreito, pegar a nossa cruz e segui-lo.
É preciso a cada dia combater o bom combate da fé.
Os frutos da árvore do conhecimento do bem e do mal são tentadores e bastantes suscetíveis aos nossos sentidos.
Para termos um culto racional é necessário rejeitarmos frutos da árvore do conhecimento e desejar a vida de Jesus.
Quando se trata de seguir a Jesus, isso requer renunciar a nós mesmos. Por isso que Paulo exorta que venhamos a conhecer qual é a boa agradável e perfeita vontade de Deus em nossa vida. Isso requer uma mudança de mente e uma mudança de comportamento e procedimento. 
Temos assim uma vida antes de Cristo e uma vida depois de Cristo.
A vida sem Cristo se refere uma vida sem reino, independente de Deus, vivendo de acordo com as nossos pensamentos e fazendo a nossa própria vontade. Vivendo nas trevas, sendo engando pelo diabo, sem perdão, destituído da gloria de Deus.
A vida após o encontro com Cristo é aquela onde abrimos mão de governar a nossa própria vida e passamos a ser governados e dependentes de Deus. Passamos a entender que não vivemos mais, para nós mesmos, mas sim para agradar a Deus e fazer a sua vontade.
Na vida nova é preciso renunciar a minha independência, o meu orgulho, a minha justiça própria, a minha vontade, os meus planos, os meus sonhos pessoais egoístas.
Para que possamos fazer parte do Reino de Deus é preciso renunciar o desejo pessoal de ser um “deus” de mim mesmo e de governar a própria vida.
Passamos assim, a viver para Deus em fazer a sua vontade. Temos um compromisso para com Ele. E esse compromisso é de levar aos outros o Evangelho do Reino de Deus. Dar bom testemunho para com que estão de fora. Ter uma vida no altar. Está disposto em aprender a cada dia com Jesus. Ser submisso às autoridades constituídas quando essas são arautos do Senhor.
Jesus afirma: “Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito. Nisto é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto; e assim vós tornareis meus discípulos.” Jo 15; 7 e 8
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Teologia da Conformidade 268
Praticando a palavra no dia a dia- O Poder da Oração-Parte2
Com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espirito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos.” Ef 6;18
A importância da oração para esse tempo é fundamental para que a luz venha prevalecer em relação às trevas. Quando a Igreja não ora as trevas toma corpo e domina casa, bairro, cidade e nação.
É pertinente que a Igreja ore. A Igreja que tem essa missão, de orar para que paz, e a justiça estejam presentes nas vidas das pessoas. Que o Evangelho seja pregado a todos. Porém, o diabo e os seus demônios lutam para que isso não aconteça. Por isso a batalha contra os piedosos, aqueles que se colocam nas brechas para interceder para que Palavra de Deus seja conhecida, é constante.
A oração muda as coisas. Ela redireciona pessoas e situações. Embora seja a força mais poderosa na terra, ele é provavelmente a mais subutilizada. É preciso que oremos para que as forças das trevas e a destruição dos sistemas apóstatas sejam destruídas e anuladas.
Falamos anteriormente das armas usadas que o diabo e os demônios utilizam para neutralizar oração. Foram mencionados o cansaço e a distração. Falaremos das demais.
A Inquietação Interior é uma das armas que o inimigo usa para não deixar o crente orar. Uma inquietação inexplicável tomou conta de você? Justamente dessa inquietação é que você pode se livrar quando ora. Seja qual for à causa – pecado nervosismo, ansiedade, medo ou incredulidade – a Palavra de Deus diz:
Confia os teus cuidados ao Senhor, e ele te susterá; jamais permitirá que o justo seja abalado.” Sl 55;22
Somente na oração você receberá ajuda para se libertar da inquietação de seu coração.
O mundo que a cada dia exige mais de cada um, onde as tarefas tomam conta da vida das pessoas, fazendo com que elas vivam em um ritmo alucinante é de se admirar que não haja tempo para que as pessoas tenham tempo para buscar a Deus.
Vive-se num tempo que vinte quatro horas são pouco para tantas atividades inerentes aos compromissos de trabalho, sociais e de lazer que o tempo que as pessoas têm para cultuar a Deus fica em segundo plano ou inexistente.
A Pressa é a arma que Satanás usa como mais sucesso contra aqueles que querem orar. O que diz as Escrituras em Eclesiastes 8; 3 –“Não te apresse em deixar a sua presença”.
Não devemos ter pressa em deixar a presença do Senhor.
Faça uma introspeção interna para identificar qual a causa de sua pressa?
Não deixa que os cuidados desse mundo venham fazer com que você se afaste da presença de Deus.
A montanha de trabalho que espera por você! Seu trabalho parece não ter fim?
Mas é justamente na oração que você recebe as condições para fazer seu trabalho bem feito e com rapidez. Quando mais tempo você ora, mais trabalha. Sei muito bem que isso contraria nossa logica, mas milhares de experiências confirmam essa receita, e Bíblia diz em Isaias 55; 2  e 3 – “Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão, e o vosso suor, naquilo que não satisfaz? Ouvi-me atentamente, comei o que é bom e vos deleitareis com finos manjares. Inclinai os ouvidos e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá.
Através da oração constante, suas tarefas diárias serão suprimidas pelas fontes divinas de força. Admirado, você reconhecerá que o tempo que passou em oração fervorosa foi a melhor maneira de usar seu tempo, e a terrível arma da pressa terá perdido o seu poder destrutivo sobre você.
Outro inimigo para oração é o desânimo. Vivemos em um mundo estressado, que correr para um lado e corre para outro. As lutas, as disputas do dia a dia nos faz muitas das vezes desanimar. Isto afeta oração e é uma das estratégias de Satanás para neutralizar a oração dos servos de Jesus.
O desânimo é uma arma que neutraliza muitas pessoas que oram. Desânimo é começar e parar. Desanimar é não olhar para longe o suficiente. A Palavra de Deus diz: Olhando firmemente para Jesus.  Esse olhar para cima, para Jesus é desviar o olhar das coisas visíveis ao nosso redor e volta-la para Jesus – voltar-se para Ele orando!
Você está desanimado por causa de sua fraqueza espiritual, desanimado por seus fracassos, desanimados pela dureza do coração das pessoas, desanimado pelas tristes circunstancias em que vive? O apostolo Paulo afirma 2 Co 4;8 – “perplexos, porém não desanimados.” – Por quê? Porque Paulo era um homem de oração!
As palavras de Isaías nos dizem: “Fortalece as mãos frouxas e firmai os joelhos vacilantes. Dizei aos desalentos de coração: Sede fortes, não temais. Eis o vosso Deus. A vingança vem, a retribuição de Deus; ele vem e vos salvará” Is 35; 3 e 4
Existe apenas um meio de nos livrar do desânimo e desalento em nosso coração: através da oração. Quando você se sentir desanimado ore! E ordena em no nome de Jesus que esses poderes batam em retiradas e que a vontade de Deus venha prevalecer!
O último inimigo da oração é a preguiça. Acha-se tempo para tudo. Os nossos interesses sempre em primeiro lugar. Esquecemos que Jesus disse: “Busque em primeiro lugar o reino de Deus e a sua justiça e as outras coisas vos serão acrescentada.”
Quando somos levados a buscar a presença de Deus em oração, ela aparece em nosso corpo, para nos fazer desistir de orar.
A Preguiça é uma arma traiçoeira que o diabo e seus demônios usam contra aqueles que desejam orar. É a arma da carne, sensação de impotência. Você se ajoelha, quer orar, mas não consegue dizer uma única palavra. Tudo parece muito difícil. A carne não consegue orar. Como se consegue se livrar dessa incapacidade e dessa preguiça? A resposta é: Ore com a Bíblia! Leia em voz alta as promessas que falam da oração. Jesus disse: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e achareis, batei e abrir-se-vos-á.” Mt 7;7
Diga simplesmente a Deus: “Senhor, não consigo pedir, mas Tu dizes na tua Palavra que eu devo pedir”. Pedir com perseverança – Exponha a sua miséria. Não fique calado! Enquanto você fala com Ele e lê a sua Palavra, de repente perceberá a faísca da oração ascendendo em seu coração, fazendo desaparecer sua preguiça e a sua intolerância, e suas orações alcançarão o trono da graça.
Essa é a hora de buscarmos a Deus. Lembre-se o que disse Jesus: Ame a Deus acima de tudo, busque a Ele e Ele se manifestará a você e lhe dará força para prosseguir em frente. Resista a toda tentação, pois Deus te dará livramento, pois não há tentação acima de sua própria força que você possa resistir. Peçamos a Ele que sejamos homens e mulheres de oração e Ele nos atenderá.
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges