Tradutor

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Teologia da Conformidade 284
A Maldição (Ta’al) que está na Carne (lechum)!- Parte 1
Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum”. Rm 7; 18
Anteriormente falamos da formação do homem pelo Deus Eterno. O homem foi criado e colocado no Éden, um jardim criado com a finalidade de receber um novo ser que era a obra prima da criação. O Significado da palavra Éden transliterado para o português significa – “planície, estepe” – Um lugar para desfrutar e ter prazer. Deus deu uma incumbência para o homem que foi de lavrar e guardar este lugar. Porém, neste lugar o Deus Eterno chama atenção do homem para duas arvores especificas. – Árvore da Vida e Árvore do conhecimento do Bem e do Mal.
Então o Deus Eterno ordena para homem que ele não coma da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal. A palavra “ordenar” – significa tsavã. – O Deus Eterno lhe dá opção para que ele escolha obedecer ou não! Essa foi uma ordem com consequência, pois a desobediência dessa ordem acarretaria para o homem a sua morte. A palavra conhecimento no hebraico é (Da’at) que significa “conhecimento, astucia”. Denota em adquirir conhecimento de diversas maneiras pelos sentidos. Esta palavra vem preposicionada significando que este tipo de conhecimento era único para o homem. Isto é, seria um conhecimento que traria ao homem infortúnio, calamidade, angustia e dualidade. Percebe-se um dualismo nesta árvore, pois ela permitirá que, através de uma experiência única, o homem possa alcançar um conhecimento prático daquilo que é positivo e negativo, do que é bom e do que é mal. Porém, estas duas forças se contrapõem entre si. Deus queria que o homem se abstivesse de tal dualidade. Mas, o homem fez a opção em desobedecer a Deus e por isso, toda a humanidade foi atingida por tal ação.
Por tal decisão o homem trouxe para ele e para terra, maldição!
E disse Deus a Adão: “Visto que atendeste a voz de sua mulher e comeste da árvore que eu ordenará que não comesses, maldita é a terra por tua causa; em fadigas obterás dela o sustento durante os dias de tua vida. Ela produzirá também cardos e abrolhos, e tu comerás a erva do campo. No suor de teu rosto comerás o teu pão, até torne a terra, pois dela foste formado; Porque tu és pó e ao pó tornaras.” Gn 3; 17 a 19
A parte afetada do homem foi carne (lechum) ou pó. Sendo assim a carne passou também a ser inimiga do homem. Pois as motivações da carne leva o homem para longe de Deus. Na Carne temos corrupção e morte!
O apostolo Paulo, fez várias reflexões sobre a carne. A própria palavra de Deus é bem enfática quantos aqueles que são motivados pela carne.
Porque os que se inclinam para carne cogitam das coisas da carne; mas os que se inclinam para o Espirito, das coisas do Espirito. Porque o pendor da carne dá para morte, mas do Espirito para vida e paz. Por isso o pendor da carne é inimizade contra Deus, pois não está sujeito à lei de Deus, nem pode estar. Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus.” Rm 8; 5 a 8
– A carne foi contaminada pelo pecado de Adão. Tal contaminação gerou na humanidade a corrupção, infortúnio, angustia e dualidade onde o homem vive numa constante luta em seu interior; da carne contra o Espirito. – “Porque a carne milita contra o Espirito e o Espirito, contra carne, porque são opostos entre si.” Gl 5;17  
Angustia que muitos passam. Depressões, infortúnio e dor são provenientes, dessa dualidade. Dessa luta conflitante!
Existe uma luta constante que é travada na alma das pessoas. E esta luta se torna mais intensa quando esta pessoa tem um encontro com Cristo Jesus. Quando ela é confrontada com a sua realidade interior.
Pois carne tende para coisas da carne. E o Espirito para coisas do Espirito. E estes são antagônicos!    
Alguns procuram se santificar na carne. Com costumes e disciplina rígidos. Porém, sabemos que a carne nunca se converte. Pois aqueles que estão na carne, não tem a capacidade de agradar a Deus.  Pois, a carne, tende para morte e para o pecado, pois lhes são natural.
O homem natural, não tem a capacidade de agradar a Deus. Pois, a própria Palavra nos adverte que: “Com está escrito: Não há justo, nenhum sequer, não há quem entenda, não há quem busque a Deus; todos se extraviaram a uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nenhum sequer.” Rm 3; 10 a 12
Mesmo que o homem tente. Não lhe é natural agradar a Deus. Segundo a palavra de Deus, não há um justo sequer. Não há quem busque a Deus e não há quem faça o bem. Todos se extraviaram e se tornaram inúteis para Deus.
O apostolo Paulo conseguiu em palavras descrever essa luta: “Mas vejo, nos meus membros, outra lei que guerreando contra a lei da minha mente, me faz prisioneiro da lei do pecado que está em meus membros. Desventurado homem que eu sou! Quem me livrará do corpo desta morte”? Rm 7; 23 e 24 
- Esta é a dualidade enfrentada por todos nós que queremos fazer o bem. Queremos nos dedicar para coisas de Deus. Queremos buscar as coisas do alto. Porém, existe um conflito interior que nos leva a desejar aquilo que não queremos. Os frutos da árvore do Conhecimento do Bem e do Mal !
Como o mesmo Paulo afirma: “Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum, pois o querer o bem está em mim; não, porém, o efetuá-lo. Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço.” Rm 7; 18 e 19
Mas Paulo compreende pelo Espirito Santo que aqueles que aceitam o Senhorio de Jesus Cristo em suas vidas, podem vencer esta dualidade e passar a controlar a carne e as suas concupiscências.
Paulo afirma: “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. Porque a lei do Espirito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte. Porque o que fora impossível à lei, no que estava enferma pela carne, isso fez Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança de carne pecaminosa e no tocante ao pecado; e, com efeito, condenou Deus, na carne, o pecado”. Rm 8; 1 a 3
Passamos assim, entender, que só aceitação do Senhorio de Cristo Jesus e a presença do Espirito Santo em nossas vidas, podemos vencer essa dualidade. Podemos vencer a carne e as suas concupiscências. E assim vencer a morte eterna! – Halleluyah!
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Teologia da Conformidade 283
Bereshit – No Princípio – parte 4
Eis que as primeiras predições já se cumpriram e novas coisas eu vos anuncio; e antes que sucedam, eu vo-las farei ouvir.” Is 42;9
Com Deus tem o controle de todas as coisas, e Eterno sabe que o homem chegaria a um conhecimento tal que descobriria as suas maravilhas. Como mesmo foi dito através o profeta Daniel: “Tu, porém, Daniel, encerra as palavras e sela o livro, até o tempo  do fim;
muitos o esquadrinharão, e o conhecimento se multiplicará”.  Dn 12; 4
Sabemos que apesar das descobertas fantásticas da ciência, muitos continuam céticos a Deus e a sua palavra. Preferem dar ouvidos as fabulas a admitir que a Bíblia seja a palavra de Deus e que nela encontramos a verdade.
Deus é o único que conhece o futuro. Pois ele com o seu poder, disponibiliza a todos que venham conhecê-lo.
Continuando o Bereshit, no quinto dia o Deus Eterno povoa os mares. E disse Deus: Criou  os grandes animais marinhos e todos os seres viventes que rastejam, os quais povoaram as águas, segundo a sua espécie; e todas as aves, segundo as suas espécies. E viu Deus que isso era bom. E Deus abençoou, dizendo: Sede fecundos, multiplicai-vos enchei as águas dos mares, e, na terra se multipliquem as aves. Houve tarde e manha no quinto dia. Gn 1; 21 a 23
Destacamos nestes versículos a palavra “abundantemente” que em hebraico é sherets que significa “fervilhação, enxame” – A palavra alma vem de nepesh que significa – “vida, alma, criatura”. Outra palavra que surge é “abençoar” que no hebraico é barak/berah – que significa “dar poder para alguém para ser prospero, bem sucedido e fecundo em tudo que fizer”. Outra palavra é “frutificar” – que vem do termo hebraico rabá que significa “ser grande, torna-se grande, ser numeroso, torna-se numeroso”. Por isso o judeu se cumprimenta com a seguinte expressão: “TORA RABÁ”- muita multiplicação!
Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda terra e sobre todos os repteis que rastejam pela terra. Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.” Gn 1; 26 e 27 – O Deus Eterno os abençoou para que se multiplicasse e fosse fecundos.
A Bíblia é bem clara que os animais foram criados a partir da terra, tanto que as suas constituições física de todos os animais, temos todos os elementos que constam na composição química da terra. Inclusive o homem também apresenta a mesma composição química.
Destacamos assim a palavra “façamos” que no hebraico é asã cujo significado é “fazer, fabricar, realizar”. O homem vem do termo hebraico – adam que significa – “homem, espécie humana”. Temos proveniente da mesma raiz à palavra adamá cujo significado é “solo, terra”.
A palavra “imagem” vem do termo hebraico – tselem – cujo significado é algo semelhante.
Temos também a ligação entre “demut e dam” (sangue em hebraico). Tal como sangue corre no interior das veias do homem dando a vida, demut parece significar algo é semelhante, porém invisível aos olhos humanos. Tanto que a tradução é “A imagem de Deus o criou” – Em hebraico seria – “Tselem Elohim bará” – Interessante que a palavra bará está próxima da palavra BAR, que significa filho.
Outra palavra que podemos destacar é “dominar” que significa – governar. O homem deveria exercer a sua autoridade sobre os demais elementos criados por Deus, pois ele assim determinou.
Quando termina a sua obra neste dia, ele é chamado de sexto dia. No hebraico foi adicionado como prefixo a letra hey, que é o artigo definido “o”, dando ênfase que esse dia foi muito especial para a criação e para o Criador.
Então o Deus Eterno formou ao homem (adam) do pó da terra (adamá) e sobrou sobre seu rosto o fôlego de vida, e o homem converteu-se em alma vivente.
O folego de vida no hebraico é chamado de neshamá, que significa brisa, ou inspiração Divina, intelecto, alma, ruach/espirito. Porém, vida é chamada de Chai – carne, criatura vivente, coisa. Sendo assim, quando o Eterno soprou sobre Adão ele se tornou alma em “alma vivente” – chai nefesh – criatura que vive/vivente, corpo, homem.
Adão, como alma vivente, quando o Eterno soprou em Adão, passou a correr nas veias de Adão “sangue”. Sabemos que vida/nefesh está no sangue.
Quando Adão caiu quando comeu o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, passou a correr nas veias de Adão e de Eva um veneno potente que penetrou na corrente sanguínea contaminando o sangue e a vida de toda a humanidade.
Sabemos que sem derramamento de sangue não há remissão. Por isso um homem comum não podia pagar o preço por uma redenção eterna, pois todos:  judeus, gentios, livre, escravos, todos foram contaminados pelo sangue de Adão.
Jesus foi a exceção à contaminação de Adão, porque não tem sangue de Adão fluindo em suas veias. Na verdade, Jesus teve correndo em seu corpo o puro sangue do Deus Eterno.  Jesus se tornou fiador de superior aliança.
Com efeito, quando Jesus Cristo através do seu próprio sangue se ofereceu sem mácula a Deus obteve eterna redenção para todos aqueles que creem em seu nome. Por isso, ele é o Mediador da Nova Aliança. Halleluyah!
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Teologia da Conformidade 282
Bereshit – No Princípio – parte 3
E disse Deus: haja firmamento no meio das águas e separação entre águas e águas.” Gn 1;6
O processo da criação ocorreu no tempo do Eterno. Pois os luminares que regem o dia e a noite, não existiam. O dia de 24 horas ainda era inexistente. Essa datação da Terra como milhões e milhões de ano não procede como quer afirmar a Teoria da Evolução.
A criação ainda hoje passa por ajuste e ainda, o seu clímax ainda não aconteceu como afirma o apostolo Paulo: “Porque sabemos que toda criação, a um só tempo, geme e suporta angústia até agora.” Rm 8; 22 – A criação está reprimida pois ainda não pode completar a sua missão.
Sendo assim, a obra do Eterno irá se completar quando Yeshua HaMashiach  reinar neste planeta.
E o Espirito do Poderoso pairava sobre as águas (Merachefet) – isto significa que Deus analisava, estava parado olhando, tudo estava sendo controlado por ele, conforme a sua vontade.
Haja Luz (YEHY ÔR)  – como ordem, energia criativa. Haja Ordem.
O ambiente terrestre não estava mais a dispor do mal (elementos negativos, a escuridão e atmosfera inóspita). Deus havia retornado o controle da natureza para beneficiar um ser semelhante a Ele. O Homem.
No verso 5 – No primeiro dia. Aqui temos a prova de que a palavra dia (iom) não se refere um período de 24 horas, pois o sol, a lua e rotação terrestre ainda não existiam.
Verso 6 – Haja firmamento (Rakia) – literalmente teto superior ou expansão de águas, ou as águas de cima.
E disse Deus – Haja uma expansão (rakia) no meio das águas, e haja separação entre águas de cima e águas de baixo.
Shamáim (céus) fogo + água (vapor).
A natureza e ecossistema no planeta terra eram bem diferentes do atual. Existia segundo o relato de Gn 1;6  as águas de cima (rakia) o Canópio funcionava como uma grande bolha formada de água que envolvia todo planeta. Atmosfera era protegida por essa camada superior de água, as estações praticamente não existiam, pois não tinham variações climáticas e nem de temperaturas também não caia sobre a terra neve e nem chuva e clima era o mesmo em todo planeta.
O próximo passo da criação foi de fazer a separação entre a luz e a escuridão. Elohim chamou à luz de dia; e a escuridão chamou de noite. E foi a tarde e a manhã do primeiro dia. (Gn 1; 4 a 5).
O destaque o qual chamamos atenção é como a forma o dia se inicia: ao final da tarde. Para os judeus o dia tem inicio por volta das 18: 00 horas (ao por do sol). Isso tem haver com o ciclo lunar de contagem de tempo. Para esse primeiro dia a palavra designada foi “ehad” (que significa em hebraico – “um único”) não existiu dia igual a esse.
Com ordenação do Eterno: ”Haja uma expansão no meio das águas, e haja separação entre águas e águas”. E houve a separação entre as águas que estavam embaixo e as águas estavam em cima. O firmamento Deus chamou de céus. E houve tarde e manhã  no segundo dia. A palavra expansão vem do termo hebraico chamado de “Rakia”, que significa firmamento. Esta palavra indica imensidão aberta dos céus.
No terceiro dia da criação temos que o Deus Eterno ordena: Ajuntem-se as águas dos céus num lugar; apareça a porção seca; e assim se fez. Deus chamou a porção seca de Terra e ajuntamento das águas de mares. E Deus viu que isso era bom. Deus ordenou que da Terra produzisse erva verde, erva que produzisse semente conforme a sua espécie e árvore frutífera, cuja semente está nela conforme a sua espécie. E o Deus Eterno viu que tudo isso era bom. E foi tarde e a manha do terceiro dia. (Gn 1; 9 a 13)
Toda criação seguiu um projeto bem elaborado pelo Eterno.
Quando Deus ordenou “produza erva verde”, a palavra do hebraico para isso é “dashe” – que significa “relva terna e nova, grama verde, vegetação”- A palavra para semente em hebraico é “eseb” – designando plantas rasteira e não lenhosas.
Cada planta se reproduz de acordo com a sua espécie indefinidamente, contrariando assim a teoria da evolução.
Porém, para os céticos, a criação é contestada e tida como fabulas. A própria ciência tem chegado à conclusão que a teoria da evolução não se subsiste como ciência, pois não explica a grande maioria das coisas de como surgiram e nem pode provar.
O Senhor com sabedoria fundou a terra com inteligência estabeleceu os céus.” Pr 3;19
Alguns preferem as fabulas ou se iludirem com mentiras do que confrontar a verdade. Acreditam e aceitam muitas coisas sem contestar, pois se iludem com aquilo que é vinculado pela mídia de modo geral. Na sala de nossa casa somos doutrinados aceitar mentiras como verdade. Muitos programas na TV falam e aceitam a Teoria da Evolução como verdade.
A lista de dissidentes de cientistas que descreem da teoria da evolução aumenta a cada dia.
Uns dos absurdos que comumente temos visto é de como Centros Educacionais aceitam a teoria da evolução como cientifica, mesmo com falhas grotesca,  introduziram essa teoria nos currículos escolares e não dando oportunidade de se estudar outras teorias, tais como a TDI (Teoria do Design Inteligente).
O que alguns cientistas querem é que a teoria da evolução seja ensinada de maneira certa e na idade certa. É um absurdo usar nas escolas revistinhas da turma da Monica mostrando o macaquinho virando homem para crianças pequenas. Mesmo sabendo que a própria ciência a cerca de mais de cinquenta anos sabe que o homem não derivou do macaco. Que essa teoria é TEORIA e não verdade cientifica absoluta!
Tens visto a um homem que é sábio aos próprios olhos? Maior esperança há no insensato do que nele.” Pr 26;12
A Palavra afirma que a Fé não é de todos. (2 Ts 3; 2) – Por isso, mesmo que o próprio Deus se revelasse a eles, em seus corações, ainda assim duvidariam e diriam que os seus olhos os enganaram!
A própria Palavra afirma que a salvação não é para todos!
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges



sexta-feira, 7 de abril de 2017

Teologia da Conformidade 281
Bereshit – No Princípio – parte 2
“Disse Deus: Haja Luz; e houve luz. E viu Deus que a Luz era boa; e fez separação da luz e das trevas.” Gn 1; 3 e 4
Entendemos que o universo foi formado pela palavra de Deus, de maneira que o invisível veio a existir das coisas que não aparecem. (Hb 11; 3)

Todas as coisas conhecidas e criadas vieram à existência a partir da Palavra proferida por Deus. Pois assim ordenou Deus e assim foi obedecido.
A criação do nada (ex-nihilo) é algo que só Deus pode fazer. A palavra criação no hebraico é beriá. Beriá refere-se algo que foi criado do nada. Porém, quando Deus criou a terra e as plantas, a palavra para isso foi assiá. Assiá significa algo que foi criado de alguma coisa.
A tradução que comumente temos em português diz que a terra era sem forma e vazia. Porém, no hebraico a tradução correta significa – “A terra era caótica e vazia”.
A terra foi colocada numa posição estratégica no sistema solar, onde a sua inclinação é de 23 graus e meio. Esse meio grau é muito importante para equilíbrio da terra. Pois, se não tivesse esse meio grau a região do equador seria inabitável, devido os calores extremos.
A terra estava pronta e precisava ser adaptada para que pudesse ter vida. Isto se refere à posição da terra em relação ao sol, a temperatura adequada, pressão, umidade, estações, gravidade do planeta. Atmosfera com quantidade precisa de oxigênio, e um escudo natural contra os intemperes do espaço que é o campo magnético da terra.
Na terra original, foram mencionadas: Escuridão e Abismo.
A escuridão no hebraico é Choshech que se refere a uma atmosfera tóxica; denso vapor sem atmosfera. A escuridão aqui não se refere ausência de luz. Podemos, dizer essa escuridão ou trevas como foi traduzido para português tem haver com malignidade.
A outra palavra é Abismo ou profundeza no hebraico é Tehon. Tehon se refere água que vieram da profundeza da terra, água quente misturada com lavras e gases tóxicos.
A descrição de acordo com o hebraico sobre os primeiros versículos da Bíblia é: Um planeta mergulhado na água numa atmosfera hostil (Choshech) que não poderia abrigar a vida. Uma escuridão e uma atmosfera tóxica e o tehon (mares que cobriam o planeta) explicam porque a terra era tohu vavohu, ou seja, inóspita para vida. Bereshit diz que Elohim criou a terra para depois ele trabalhar com os elementos negativos Choshech e Tehon (escuridão e atmosfera tóxica).
Ruach Elohim – (vento, o Espirito do Poderoso) pairava sobre a face da terra e não traduzir como Espirito Santo a terceira pessoa da trindade.
Em resumo: Todos os planetas vizinhos são assim possuem escuridão primeva e atmosfera tóxica. Havia água, porém, não havia a parte seca da terra. Após isso, surgiram os mares. O segredo é entender que água já existia, mas ela não dava condições para vida, provavelmente era super salgada devido as rochas de sais e minerais. Elohim precisava continuar a trabalhar na criação. (Rakia), que é a atmosfera da terra.
O processo criativo de Deus começa quando ele ordena: HAJA LUZ que no hebraico  é  ”YEHY ÔR” – A palavra luz do hebraico é ÔR e essa palavra é estritamente ligada a vida e a felicidade. Então, a primeira coisa que o Eterno traz a existência é a vida e a felicidade dentro do universo.
E viu Deus que a Luz era boa. Essa luz não era a luz do sol, pois o sol ainda não existia. Essa mesma luz ainda pode ser observada em algum ponto remoto do universo e até mesmo pode ser detectada, mas não pode ser vista de forma a apontar-se o lugar de onde ela vem.
Sabemos que é publico e notório que o universo é regido por leis bem definidas onde a própria ciência não pode negar. O universo foi algo que foi pré-concebido por um Criador, devido as suas peculiaridades tão especificas. O Eterno pensou em tudo!
Não como alguns insistem em afirmar que o universo surgiu de uma grande explosão, onde do caos surgiu algo perfeito com leis bem especificas.
As teorias cosmológicas não podem negar as leis que regem o universo. Porém, para os céticos era difícil aceitar um universo criado, por isso surgiram teorias tais como do Big Bang para explicar a origem do universo onde o seu mentor foi George Gamow, russo naturalizado americano que em 1948 lançou para o mundo essa teoria, que até hoje muitos aceitam.
Segundo Gamow diz que o universo se criou numa gigantesca explosão e que os diversos elementos que hoje observamos foram produzidos durante os primeiros minutos depois dessa grande explosão. Devido elevada densidade, a matéria existente nos primeiros momentos do universo se expandiu rapidamente.
Porém, a própria ciência questiona tal teoria e um dos problemas não resolvidos do modelo de um universo em expansão é saber se o universo é aberto ou fechado (isto é, se expandirá de forma indefinida ou se voltará a contrair).
Tal teoria do Big Bang esbarra que universo é regido por leis precisas e necessárias para que haja vida aqui no planeta terra. Do caos não pode de maneira alguma gerar algo preciso e definido.
Pois está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios e aniquilarei a inteligência dos instruídos. Onde está o sábio? Onde, o escriba? Onde, inquiridor deste século? Porventura não tornou Deus louca a sabedoria do mundo?” 1 Co 1; 19 e 20
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges



sexta-feira, 31 de março de 2017

Teologia da Conformidade 280
Bereshit – No Princípio – parte 1
No princípio Deus criou os céus e a terra. A terra era informe e vazia, havia trevas sobre a face da profundeza, e o Espirito de Deus pairou sobre a superfície da água.” Gn 1; 1 e 2
Tudo tem um princípio, um meio e um fim. Do mesmo modo como o universo teve um princípio e terá um fim, nós também tivemos um princípio e vamos ter um fim.
Estávamos desraigados como ovelha que não tem pastor. Andávamos perdidos sem nenhum referencial. Porém, um dia tivemos um encontro com Jesus. Os paradigmas de nossa vida mudaram. Antes, achávamos que não precisávamos de um salvador ou de um redentor.
Achávamos que a nossa vida era nossa e tínhamos controle sobre ela!
Pensávamos que éramos nós quem determinava o nosso próprio destino!
Essa é a ilusão daqueles que estão entregue a sua própria sorte, sobre comando do mundo.
Com essa nova realidade, Jesus comandando a nossa vida, passamos a descobrir que a nossa vida tem um proposito. Não somos um acaso ou viemos para esse mundo aleatoriamente, ou por acaso, sem destino e sem finalidade alguma. Apenas mais um na multidão.
Pois, Deus, tem um proposito, para cada ser humano, pois ele deu a vida, chamou a cada um de nós, antes da nossa existência; e nos chamou pelo próprio nome.
Você está se perguntando: Como Deus nos chamou antes da nossa existência e muitos não estão nem aí para Deus?
Deus como oleiro, tem o direito de fazer vaso para honra e vaso para desonra?
Aquele que é vaso para honra, reconhece o senhorio de Deus. Reconhece que a sua vida precisa de algo superior que lhe dê razão para existir. Reconhece Jesus, como seu Senhor e Salvador. Reconhece a Palavra de Deus como norteadora de sua vida. Reconhece que a sua vida só tem sentido, quando, para servir a Deus e cumprir o proposito que ele tem para cada um de nós.
Porém, o vaso para desonra é aquele que continua em rebeldia para com Deus, servindo a carne e as suas concupiscências, dando vazão aos seus próprios pensamentos e está a serviço de Satanás e seus demônios. 
São aqueles que Deus suporta com longanimidade os vasos de ira, preparados para a perdição, a fim de que também desse a conhecer as riquezas da sua glória em vasos de misericórdia, que para glória preparou de antemão, os quais somos nós. (Rm 9; 22 a 24)
Existe uma harmonia no universo. Tudo está colocado em seu devido lugar numa precisão única. Existe um plano mestre no universo e que nada é aleatório ou esta ali por acaso. O próprio Talmud declara que uma pessoa deveria sempre ter em mente que toda a sua ação pode alterar o estado do universo. A obrigação de cumprir a vontade de Deus é mais um assunto pessoal. Desviar-se dessa vontade poderá romper a harmonia do universo.
O universo não teria sido criado se não fosse pelo mundo espiritual, pela palavra divina.
A escritura tem inicio com uma frase – “No princípio – A palavra em hebraico é bereshit”.
Observamos que a Torah no hebraico possui sete palavras. Isto indica um senso de organização da parte de Deus Criador, indicando que seus atos foram todos planejados, organizados, e realizados de forma logica e precisa, a fim de atingir um objetivo, uma criação que glorificasse o nome de Deus.
Tudo tem como objetivo que homem reconheça que existe um criador. Que nada surgiu sem um proposito determinado ou de um acaso ou de forma aleatória.
Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos” Sl 19;1
Argumento cosmológico Kalam é bastante simples em sua formulação e consiste simplesmente em três passos:
Primeiro- Qualquer coisa que existe tem uma causa. Tudo que venha existir tem uma causa e não aparece do nada.
Segundo – O universo começou a existir. O notável desenvolvimento que ocorreu permitiu que pela primeira vez que agora temos evidencias sólida e cientificas.
Para validar a segunda premissa que diz que o universo começou a existir.
E a partir dessas duas premissas que se seguem logicamente concluímos:
Terceiro que o universo tem uma causa para sua existência. Qualquer coisa que começa a existir tem uma causa. O universo passou existir tem uma causa para sua existência. Isto aponta para uma realidade além do universo. Uma realidade transcendente além do tempo e espaço. Portanto não físico e imaterial. Quem criou o universo do nada e o trouxe a sua existência.
Se o universo tem um proposito para sua existência, quanto mais o homem?
O processo de revelação para homem teve inicio a partir da palavra “bereshit”. A partir deste momento é permitido ao homem conhecer o que Deus Criador revelou. O que ficou para trás não está revelado, portanto ao homem é vedado o direito de especular o que aconteceu antes da criação.
Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Rm 8;28
O apóstolo Paulo, é bem enfático quanto ao propósito que Deus tem para aqueles que o ama. Tanto que até as coisas adversas cooperam para o bem, contribuem substancialmente para edificação daqueles que desejam ser um servo de Deus.
É do agrado de Deus que o homem o busque conhece-lo. Que busque de Deus o seu proposito para sua vida. Uma coisa é certa! O homem deve reconhecer que foi criado para honrar, adorar e servir a ele com inteireza de coração. Colocando em suas mãos a direção de sua vida. Aprender a viver na sua total dependência. Lançando sobre ele os nossos fardos, os nossos questionamentos e pedindo a sua ajuda em tudo, para que possamos superar a cada dia as nossas dificuldades.
Apendamos com Jesus: “Porque eu desci do céu, não para fazer a minha própria vontade e sim a vontade aquele que me enviou. E a vontade daquele que me enviou é esta: que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrario, eu o ressuscitarei no último dia. De fato, a vontade de meu Pai é que todo homem que vir o Filho e nele crer tenha a vida eterna; e eu ressuscitarei no último dia.”  Jo 6; 38 a 40
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 24 de março de 2017

Teologia da Conformidade 279
Descobrindo o propósito de Deus em sua vida.
Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” Rm 8;28
Deus criou o homem segundo a sua imagem e segundo a sua semelhança. De todas as criaturas de Deus o homem é único que tem dom criativo dado pelo Deus Eterno. O homem domina os céus, a terra e o mar. Apesar de ser frágil e limitado, o homem tem a capacidade de dominar tanto as criaturas dos céus, da terra e do mar. Conforme lhe foi dito em gênesis: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda terra sobre os todos os repteis que rastejam pela terra.” Gn 1; 26
Porém, o homem perdeu muito devido a sua queda. O homem caído perdeu a capacidade de agradar a Deus. E as suas aptidões foram abaladas. Passou a ser natural para homem agradar a si mesmo e fazer a vontade da carne. O espirito de rebelião passou habitar no homem, e isso é abominável a Deus.
Não há justo, nem um sequer, não há quem entenda, não há quem busque a Deus; todos se extraviaram, a uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nenhum sequer.” Rm 3; 10 a 12
Esta passou a ser a realidade do homem. Para o homem natural as coisas de Deus passaram a ser estranhas e incompreensíveis. O homem se tornou para Deus inútil, pois o propósito original de Deus para homem perdeu-se devido à queda.
O que é Palavra nos diz que ao homem natural, lhe é impossível fazer o bem. Pode ser até que ele tenha a intenção de fazer, porém não lhe é próprio o fazê-lo.
A explicação das mazelas do mundo em que vivemos, onde o egoísmo impera, onde cada um só pensa em si mesmo, e só valoriza aquilo que é seu. Esse é o fruto do pecado que a humanidade colhe a cada dia.
Não confiemos em nossa justiça própria; não nos julguemos alguma coisa, pois nada somos.
A Palavra de Deus, sempre nos alerta para essa falsa justiça; ”Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças, como trapo da imundícia” Is 64;6ª
Quando o homem caído tem um encontro com o Senhor Jesus a perspectiva de sua vida muda completamente. Ele não passa mais a viver para si e seus prazeres e começar a procurar como agradar a Deus e a servi-lo.
Os propósitos antes egoístas mudam para um novo paradigma.
O homem nascido de novo descobre que o seu proposito número um é de adorar e amar a Deus e de como agrada-lo;
O homem nascido de novo descobre que ele faz parte de uma nova família; e que ele foi criado para se tornar semelhante ao Senhor Jesus; e que agora deverá se engajar em servir a Deus com inteireza de coração; e a sua missão é de espalhar a boa nova do Evangelho do Reino e proclamar as virtudes daquele que lhe resgatou das trevas para sua maravilhosa luz. Halleluyah!
É publico e notórios que a cada dia, os dias se tornam mais trabalhoso, mais difíceis.
A nossa esperança está centrado em Nosso Deus e em Nosso Salvador Jesus Cristo, e na sua Palavra, pois ela testifica da verdade. A Palavra nos consola, nos ensina, e nos dá esperança para continuar a nossa luta do dia a dia.
Devemos fazer o que nos ordenou o Senhor Jesus: “Guarda a Palavra da perseverança, também eu te guardarei da hora da provação que há de vir sobre o mundo inteiro, para experimentar os que habitam sobre a terra. Venho sem demora. Conserva o que tens, para que ninguém tome a tua coroa”. Ap 3; 10 e 11
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 17 de março de 2017

Teologia da Conformidade 278
Porque Deus não nos tem dado espirito de covardia.
Porque Deus não nos tem dado espirito de covardia, mas de poder, de amor e de moderação.” 2 Tm 1; 7
Já chegou a hora de que todo aquele que professa Cristo Jesus, haja de forma destemida e proclame a sua fé.
Temos na Sagrada Escritura o exemplo de homens e mulheres que de forma destemida deram sua vida e derramaram o seu sangue por amor a Jesus.
Alguns foram torturados, não aceitando seu resgate, para obterem superior ressureição; outros, por sua vez, pela prova de escárnios e açoites, sim, até algemas e prisões. Foram apedrejados, provados, serrados pelo meio, mortos a fios de espada; andaram peregrinos, vestidos de peles de ovelhas e de cabras, necessitados, afligidos, maltratados. (homens dos quais o mundo não era digno), errantes, pelos desertos, pelos montes, pelas covas, pelos antros da terra. Ora todos eles obtiveram bom testemunho por sua vez não obtiveram, contudo, a concretização da promessa.” Hb 11; 35 a 39
Pensamos que tais situações descritas acima na palavra ocorreram no passado distante. Porém, muito pelo contrario, tem acontecido comumente nos nossos dias, onde milhares de cristãos têm sido mortos de forma violenta por aqueles que não aceitam a fé cristã. Hoje se sabe, que 120 mil cristãos são mortos por ano, por causa da sua fé em vários lugares do mundo.  E atrocidades relatadas na palavra têm acontecido diante de nossos olhos, onde irmãos têm sidos martirizados, enquanto a igreja do ocidente apenas se preocupar em proclamar um “Evangelho Morno” onde o centro é o homem e o seu bem estar.
É por isso que em muitos países bem desenvolvidos, onde o materialismo exacerbado tem sido a causa de uma decadência moral generalizada onde a família tem sido destruída por causa do egoísmo, e os jovens, por não terem por que lutar, acham as suas vidas vazias e fúteis e por isso são levados ao suicídio.
Tudo porque a igreja deixou de fazer o seu papel de ser a norteadora da sociedade e de estabelecer paramentos para sociedade nela inserida.
É preciso que igreja que dorme acorde enquanto é tempo, para que se possa posicionar contra a invasão das trevas e a destruição dos valores cristãos.
Está chegando a hora da igreja “usar as armas poderosas em Deus. Para destruir fortalezas, anulando nós sofismas e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus”. 2 Co 10; 4 e 5
É necessário que a igreja busque os dons do Espirito Santo, para fazer frente às ações maléficas das trevas. Devemos agir como as virgens prudentes da parábola das 10 virgens, que se preparam para chegada do noivo.
Lembremo-nos do que Jesus disse: “Eis aí vos dei autoridade para pisardes serpentes e escorpiões e sobre todo o poder do inimigo, e nada, absolutamente, vos causará dano.” Lc 10; 19
Os discípulos se alegram perante Jesus, pois diziam que os próprios demônios se submetiam pelo nome de Jesus. (Lc 10; 17)
O que Jesus lhes respondeu: “Não obstante, alegrai-vos, não porque os espíritos se vos submetem, e sim porque o vosso nome está arrolado nos céus.” Lc 10; 20
Se o Senhor nos deu tal autoridade à igreja por sua vez, esta deve instruir a cada membro a fazer uso dessa autoridade, para se colocar contra ação das trevas.
As famílias sendo destruídos, os relacionamentos, intrigas, disputa, casa dividida, dissenção, fação, operação de demônios com objetivo de trazer desgraça.
E as pessoas inoperantes a estas ações achando que nada podem fazer, pois lhes ensinaram, nada podem fazer contra as obras nefastas das trevas. Mentira!
E nome de Jesus não tem poder?
Cada um deve saber que não é pela sua própria virtude, ou por que haja algum bem em si, ou por seus méritos. E sim pelo nome poderoso de Jesus. É neste nome que os demônios se submetem. Para isso é necessário coragem e fé. Pois é preciso crer nos sinais.
E que o Senhor Jesus nos disse: “Estes sinais hão de acompanhar aqueles que creem; em meu nome expelirão os demônios, falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e, se alguma coisa mortífera beberem, não lhes fará mal; se impuserem as mãos sobre os enfermos, eles ficarão curados.” Mc 16; 17 e 18 
Amados! Devemos nos lembrar de que a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores desse mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestes. Ef 6;12
Sabemos que estamos numa batalha. Querendo ou não querendo, todos devem aprender a guerrear contra ação maléfica das trevas, pois o inimigo das nossas almas não está para brincadeira. Ou você se posiciona, ou será tragado pelas trevas.
Peça ao Senhor Jesus que a cada dia lhe revista com a completa armadura para que possa resistir no dia mau e depois, de terdes vencido, permaneça inabalável. ( Ef 6;13)
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges