Tradutor

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Teologia da Conformidade 263
Praticando a palavra no dia a dia- O Culto racional!
Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.” Rm 12;1
 Ao se falar em “culto racional”, achamos que isso consiste em cultuar a Deus como comumente temos presenciado nos diversos ministérios, onde se segue um mesmo modelo de liturgia. Porém, o que o apostolo Paulo está se referindo trata-se de algo que tem haver como o nosso corpo em apresenta-lo como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus. Paulo está referindo como devemos nos portar e mesmo nos apresentar diante do mundo e das pessoas.
No versículo seguinte temos: “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação de vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa agradável e perfeita a vontade de Deus.” Rm 12;2
É preciso ocorrer em cada um de nós a “renovação da mente”, pois isso tem haver com o culto racional mencionado.
É muito compreensível a necessidade de se renovar a nossa mente, pois quando outrora vivíamos no mundo sob o jugo do diabo, a nossa mente era governada por nossa vontade e os nossos prazeres, em como agradar a nós mesmo, fazendo a vontade da carne e do inimigo.
Quando, Jesus entrou em nossa vida e recebemos seu Senhorio as coisas mudaram de padrão. Passamos, assim a ter um novo Senhor e um novo jugo. O nosso proceder deverá ser modificado de acordo com essa realidade. Não podemos de modo algum proceder como procedíamos antes. Porém, sabemos que isso não é fácil, pois os velhos hábitos e a velha maneira de ser continuam atuando em nossos sentidos. Temos também como inimigo a carne que sempre nos leva no sentido contrario. 
Passa a existir uma luta interna entre o espirito e a carne. Paulo mesmo passou por isso quando se refere a tal situação quando afirma: “Porque nem mesmo compreendo o meu próprio modo de agir, pois não faço o que prefiro, e sim o que eu detesto,” Rm 7;15
Não é nada natural para homem natural cultuar a Deus e sim, cultuar a si mesmo.
Sabemos que existem duas realidades que devemos encarar. Existem dois reinos, dois senhores, dois caminhos e duas eternidades.
Cada pessoa precisa tomar a sua decisão qual senhor quer servir. Não nascemos no Reino de Deus, não nascemos com a capacidade de servi-lo. O espirito de rebelião, gerado pelo pecado é perceptível em nossos sentidos.
Para servir a Deus é necessário aceitarmos como Senhor e Salvador a Jesus Cristo. É preciso trilhar por um caminho estreito, pegar a nossa cruz e segui-lo.
É preciso a cada dia combater o bom combate da fé.
Os frutos da árvore do conhecimento do bem e do mal são tentadores e bastantes suscetíveis aos nossos sentidos.
Para termos um culto racional é necessário rejeitarmos frutos da árvore do conhecimento e desejar a vida de Jesus.
Quando se trata de seguir a Jesus, isso requer renunciar a nós mesmos. Por isso que Paulo exorta que venhamos a conhecer qual é a boa agradável e perfeita vontade de Deus em nossa vida. Isso requer uma mudança de mente e uma mudança de comportamento e procedimento. 
Temos assim uma vida antes de Cristo e uma vida depois de Cristo.
A vida sem Cristo se refere uma vida sem reino, independente de Deus, vivendo de acordo com as nossos pensamentos e fazendo a nossa própria vontade. Vivendo nas trevas, sendo engando pelo diabo, sem perdão, destituído da gloria de Deus.
A vida após o encontro com Cristo é aquela onde abrimos mão de governar a nossa própria vida e passamos a ser governados e dependentes de Deus. Passamos a entender que não vivemos mais, para nós mesmos, mas sim para agradar a Deus e fazer a sua vontade.
Na vida nova é preciso renunciar a minha independência, o meu orgulho, a minha justiça própria, a minha vontade, os meus planos, os meus sonhos pessoais egoístas.
Para que possamos fazer parte do Reino de Deus é preciso renunciar o desejo pessoal de ser um “deus” de mim mesmo e de governar a própria vida.
Passamos assim, a viver para Deus em fazer a sua vontade. Temos um compromisso para com Ele. E esse compromisso é de levar aos outros o Evangelho do Reino de Deus. Dar bom testemunho para com que estão de fora. Ter uma vida no altar. Está disposto em aprender a cada dia com Jesus. Ser submisso às autoridades constituídas quando essas são arautos do Senhor.
Jesus afirma: “Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito. Nisto é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto; e assim vós tornareis meus discípulos.” Jo 15; 7 e 8
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Teologia da Conformidade 262
Praticando a palavra no dia a dia- O Poder da Oração-Parte2
Com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espirito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos.” Ef 6;18
A importância da oração para esse tempo é fundamental para que a luz venha prevalecer em relação às trevas. Quando a Igreja não ora as trevas toma corpo e domina casa, bairro, cidade e nação.
É pertinente que a Igreja ore. A Igreja que tem essa missão, de orar para que paz, e a justiça estejam presentes nas vidas das pessoas. Que o Evangelho seja pregado a todos. Porém, o diabo e os seus demônios lutam para que isso não aconteça. Por isso a batalha contra os piedosos, aqueles que se colocam nas brechas para interceder para que Palavra de Deus seja conhecida, é constante.
A oração muda as coisas. Ela redireciona pessoas e situações. Embora seja a força mais poderosa na terra, ele é provavelmente a mais subutilizada. É preciso que oremos para que as forças das trevas e a destruição dos sistemas apóstatas sejam destruídas e anuladas.
Falamos anteriormente das armas usadas que o diabo e os demônios utilizam para neutralizar oração. Foram mencionados o cansaço e a distração. Falaremos das demais.
A Inquietação Interior é uma das armas que o inimigo usa para não deixar o crente orar. Uma inquietação inexplicável tomou conta de você? Justamente dessa inquietação é que você pode se livrar quando ora. Seja qual for à causa – pecado nervosismo, ansiedade, medo ou incredulidade – a Palavra de Deus diz:
Confia os teus cuidados ao Senhor, e ele te susterá; jamais permitirá que o justo seja abalado.” Sl 55;22
Somente na oração você receberá ajuda para se libertar da inquietação de seu coração.
O mundo que a cada dia exige mais de cada um, onde as tarefas tomam conta da vida das pessoas, fazendo com que elas vivam em um ritmo alucinante é de se admirar que não haja tempo para que as pessoas tenham tempo para buscar a Deus.
Vive-se num tempo que vinte quatro horas são pouco para tantas atividades inerentes aos compromissos de trabalho, sociais e de lazer que o tempo que as pessoas têm para cultuar a Deus fica em segundo plano ou inexistente.
A Pressa é a arma que Satanás usa como mais sucesso contra aqueles que querem orar. O que diz as Escrituras em Eclesiastes 8; 3 –“Não te apresse em deixar a sua presença”.
Não devemos ter pressa em deixar a presença do Senhor.
Faça uma introspeção interna para identificar qual a causa de sua pressa?
Não deixa que os cuidados desse mundo venham fazer com que você se afaste da presença de Deus.
A montanha de trabalho que espera por você! Seu trabalho parece não ter fim?
Mas é justamente na oração que você recebe as condições para fazer seu trabalho bem feito e com rapidez. Quando mais tempo você ora, mais trabalha. Sei muito bem que isso contraria nossa logica, mas milhares de experiências confirmam essa receita, e Bíblia diz em Isaias 55; 2  e 3 – “Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão, e o vosso suor, naquilo que não satisfaz? Ouvi-me atentamente, comei o que é bom e vos deleitareis com finos manjares. Inclinai os ouvidos e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá.
Através da oração constante, suas tarefas diárias serão suprimidas pelas fontes divinas de força. Admirado, você reconhecerá que o tempo que passou em oração fervorosa foi a melhor maneira de usar seu tempo, e a terrível arma da pressa terá perdido o seu poder destrutivo sobre você.
Outro inimigo para oração é o desânimo. Vivemos em um mundo estressado, que correr para um lado e corre para outro. As lutas, as disputas do dia a dia nos faz muitas das vezes desanimar. Isto afeta oração e é uma das estratégias de Satanás para neutralizar a oração dos servos de Jesus.
O desânimo é uma arma que neutraliza muitas pessoas que oram. Desânimo é começar e parar. Desanimar é não olhar para longe o suficiente. A Palavra de Deus diz: Olhando firmemente para Jesus.  Esse olhar para cima, para Jesus é desviar o olhar das coisas visíveis ao nosso redor e volta-la para Jesus – voltar-se para Ele orando!
Você está desanimado por causa de sua fraqueza espiritual, desanimado por seus fracassos, desanimados pela dureza do coração das pessoas, desanimado pelas tristes circunstancias em que vive? O apostolo Paulo afirma 2 Co 4;8 – “perplexos, porém não desanimados.” – Por quê? Porque Paulo era um homem de oração!
As palavras de Isaías nos dizem: “Fortalece as mãos frouxas e firmai os joelhos vacilantes. Dizei aos desalentos de coração: Sede fortes, não temais. Eis o vosso Deus. A vingança vem, a retribuição de Deus; ele vem e vos salvará” Is 35; 3 e 4
Existe apenas um meio de nos livrar do desânimo e desalento em nosso coração: através da oração. Quando você se sentir desanimado ore! E ordena em no nome de Jesus que esses poderes batam em retiradas e que a vontade de Deus venha prevalecer!
O último inimigo da oração é a preguiça. Acha-se tempo para tudo. Os nossos interesses sempre em primeiro lugar. Esquecemos que Jesus disse: “Busque em primeiro lugar o reino de Deus e a sua justiça e as outras coisas vos serão acrescentada.”
Quando somos levados a buscar a presença de Deus em oração, ela aparece em nosso corpo, para nos fazer desistir de orar.
A Preguiça é uma arma traiçoeira que o diabo e seus demônios usam contra aqueles que desejam orar. É a arma da carne, sensação de impotência. Você se ajoelha, quer orar, mas não consegue dizer uma única palavra. Tudo parece muito difícil. A carne não consegue orar. Como se consegue se livrar dessa incapacidade e dessa preguiça? A resposta é: Ore com a Bíblia! Leia em voz alta as promessas que falam da oração. Jesus disse: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e achareis, batei e abrir-se-vos-á.” Mt 7;7
Diga simplesmente a Deus: “Senhor, não consigo pedir, mas Tu dizes na tua Palavra que eu devo pedir”. Pedir com perseverança – Exponha a sua miséria. Não fique calado! Enquanto você fala com Ele e lê a sua Palavra, de repente perceberá a faísca da oração ascendendo em seu coração, fazendo desaparecer sua preguiça e a sua intolerância, e suas orações alcançarão o trono da graça.
Essa é a hora de buscarmos a Deus. Lembre-se o que disse Jesus: Ame a Deus acima de tudo, busque a Ele e Ele se manifestará a você e lhe dará força para prosseguir em frente. Resista a toda tentação, pois Deus te dará livramento, pois não há tentação acima de sua própria força que você possa resistir. Peçamos a Ele que sejamos homens e mulheres de oração e Ele nos atenderá.
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges



sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Teologia da Conformidade 262
Praticando a palavra no dia a dia- O Poder da Oração!
“Vigiai, pois, a todo tempo, orando, para que possais escapar de todas estas coisas que têm que suceder e estar em pé na presença do Filho do Homem.” Lc 21; 36
O mundo está cada vez em desencanto. Guerra, violência, catástrofes naturais, corrupção, e desanimo generalizado, com uma expectativa de que algo vai acontecer.
É neste momento que Igreja deve se mobilizar para orar pelas nações, orar para que o Evangelho do Reino venha ser pregado e aqueles que estão desanimados, abatidos e desesperançados, possa conhecer que existe uma força superior vinda de Deus, motivada pelo poder da oração, daqueles que oram.
“Antes de tudo, pois, exorto que se use a pratica de súplicas, orações, intercessões, ações de graças em favor de todos os homens, em favor dos reis e de todos os que se acham investido de autoridade, para que vivamos vida tranquila e mansa, com toda piedade e respeito. Isto é bom e aceitável diante de Deus, nosso Salvador, o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade.” 1 Tm 2; 1 a 4. – O apostolo Paulo exorta a Igreja a orar pelas autoridades constituídas. A orar também para que todos os homens sejam salvos. Orar também para que os homens cheguem ao pleno conhecimento da verdade.
A Igreja tem essa missão. Então porque esse objetivo não é atingido?
Não é atingido, porque o diabo luta contra a Igreja que ora. Contra todos aqueles que se dispõe a orar. Pois ele sabe do poder da oração. Por isso cria ardis para neutralizar aqueles que se propõem a orar.
São seis armas mais comuns que o diabo utiliza para neutralizar oração. São elas: cansaço, distração, inquietação interior, pressa, desanimo e preguiça.
É necessário que liderança de um ministério incentive a oração e tenha como foco dentro do ministério a oração como força propulsora desse ministério. Estimule o hábito de orar, como foi ordenado pelo Senhor Jesus: Vigiai e orai, para que não entreis em tentação (Mt 26; 41).
Outro ponto que é crucial é a Leitura diária da Palavra de Deus, pois é a palavra de Deus que nos consola e nos dá a direção que devemos seguir. A Palavra de Deus é também alimento para a nossa alma.
Devido à vida corrida que temos em nosso dia a dia é comum surgir o cansaço. E é este cansaço que o inimigo usa para impedir que venhamos a orar. Até para isso é necessário orar para que Deus nos dê força. “Faz forte ao cansado e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor. Os que esperam no Senhor renovam as suas forças, sobem com as asas de águia, correm e não se cansam, caminham e não se fadigam” Is 40; 29 a 31.
Na oração é importante a que venhamos vigiar para que a carne, que é um dos inimigos da oração, não venha ser um obstáculo para oração.
As inquietudes da vida, os cuidados do mundo, o inimigo os usa como arma para neutralizar a concentração na oração. Para que fiquemos com nossa mente a divagar e não venhamos nos concentrar na oração.
O inimigo usa outro obstáculo da oração que é a distração.
É muito comum quando uma pessoa está orando ou quer orar logo lhe vem à mente pensamentos que, não tem nada haver. Logo você percebe que seus pensamentos estão bem longe. Você não consegue se concentrar! A arma para isso é orar em voz alta. Como Davi diz no salmo 55; 16 a 17: “Eu, porém, invocarei a Deus, e o Senhor me salvará. À tarde, pela manhã e ao meio dia, farei as minhas queixas e lamentarei; e ele ouvirá a minha voz.
Ore com voz forte e audível, e as distrações não terão poder sobre você!
Ordene que esses pensamentos sejam levados cativos em obediência a Cristo Jesus!
Peça ajuda ao Espirito Santo que venha te auxiliar na oração!
A autoridade nos foi concedida sobre todo o poder do inimigo no nome poderoso de Jesus! Creia!
Amados! Vigiemos e oremos para que cada vez mais, essa pratica seja constante em nossa vida. Venhamos a ser homens e mulheres de oração. “Pois a oração do justo pode muito, por sua eficácia. Elias era um homem semelhante a nós, sujeito aos mesmos sentimentos, e orou, com instancia, para que não chovesse sobre a terra, e, por três anos e seis meses, não choveu. E orou, de novo, e o céu deu chuva, e a terra fez germinar o seus frutos.” Tg 5; 16 e 17
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Teologia da Conformidade 261
Praticando a palavra no dia a dia- A Noiva de Cristo!
Cristo amou a Igreja e a si mesmo se entregou por ela, para que a santificasse, tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela palavra, para apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito.” Ef 5; 25 a 27
Jesus Cristo ama a Igreja com um amor de um noivo para com uma noiva. Tal figura é inúmeras vezes mencionadas nos evangelhos.
Cristo virá resgatar a sua noiva para leva-la para suas bodas. Segundo o apostolo Paulo, esta noiva será gloriosa, sem mácula, nem ruga, santa e sem defeito.
Fazendo uma analise, nos diversos ministérios, tal padrão está muito distante dessa realidade. Interessante! Que Paulo menciona que a santificação da igreja se dá através da água pela palavra. Podemos assim deduzir que o resgate do verdadeiro Evangelho do Reino, será quando os ministérios deixarem de lado o “fermento” que levedou a massa de alguns ministérios e passarem a pregar a Palavra da Verdade.
O que comumente se vê é que alguns ministérios colocaram como centro o homem, e não a Cristo. Temos assim, um evangelho a “gosto do freguês”. Temos uma “igreja” onde carne predomina gerando apenas religiosidade. Para Paulo aqueles que estão na carne não herdarão o Reino de Deus. (Gl 5; 21). Aqueles que estão na carne não podem agradar a Deus. (Rm 8; 8).
Quando a motivação é a carne o mundo penetra no meio da igreja, ocorrendo divisão, facção e dissenção.
Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.” Tg 4; 4
A nossa preocupação é que muitas lideranças, ainda não enxergaram o padrão requerido pela Palavra de Deus para Igreja e para aqueles que fazem parte dela.
Sendo assim, presenciamos um conflito entre a carne e suas motivações e o Espirito Santo de Deus, pois, falam línguas que são estranhas e desconhecidas um com outro. Pois as coisas espirituais só poderão ser discernidas por pessoas espirituais. A mente carnal não possui habilidade para entender as coisas de Deus, que são espirituais. Quando não se compreende algo, começa assim, a especulação. Por isso, facilmente as coisas emanada pelo Espirito Santo, transforma-se em doutrinas de homens, sistema teológico, raciocínio e logica humana, não sendo, mas espirituais e sim carnais.
Sabemos que a mente carnal é hostil e se opõe ao Espirito de Deus.
A natureza carnal do homem é separada de Deus que é vida; estando carne morta, tudo que procede de uma mente carnal tende para morte. Esta é arma que o diabo usa para que a verdade não seja revelada. Jesus afirmou: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.” Jo 8;32
A carne tem um impulso inerente de se preservar a todo custo. A carne teme aniquilação. Porém, não se pode salvar porque está destinada a destruição. A natureza carnal reage na pessoa até que a vida de Deus em Cristo Jesus seja plantada no seu espirito. Mesmo, assim, após sermos redimidos pelo sangue do Cordeiro, enquanto permanecermos nesta vida teremos que carregar ambas as sementes: a semente da carne e da morte e a semente do Espirito e a vida.
Porém, É Deus que efetua em nós tanto o querer como realizar, segundo a sua boa vontade. (Fp 2;13)
É certo que a obra é Deus e Ele fará o que for necessário, pois seu plano não será frustrado, para que a Igreja chegue ao padrão exigido.
Do mesmo modo quando a Igreja no primeiro século passou por ajustes e lutas por causa de alguns que a mando do diabo foram introduzidos em seu seio para restringir a liberdade; como afirma Paulo: “Para liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submeteis, de novo, a jugo de escravidão.” Gl 5;1
Sabemos o que vislumbramos não é o ideal como padrão da Igreja, conforme a Palavra de Deus. Porém, prossigamos para o alvo, o proposito que o Espirito Santo tem para Igreja. Será que dentro dos diversos ministérios que Deus resgatará a Noiva de Cristo.
É pertinente, usarmos o que Paulo diz: Alguns, efetivamente, proclamam a Cristo por inveja e porfia; outros, porém, o fazem de boa vontade.
Todavia, que importa? Uma vez que Cristo, de qualquer modo, está sendo pregado, quer por pretexto, quer por verdade, também por isto me regozijo, sim, sempre regozijarei.  Fp 1; 15 e 18.
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Teologia da Conformidade 261
Praticando a palavra no dia a dia- Acautelai-vos do fermento!
E Jesus lhes disse: Vede e acautelai-vos do fermento dos fariseus e saduceus.” Mt 16;6
Jesus alertou os seus discípulos que tomassem cuidado com fermento dos fariseus e saduceus. Estes pensavam que algo se tratava com referencia ao pão, porém, logo entendendo que era a doutrina dos fariseus e dos saduceus.
O fermento toma a conotação de algo que leveda a massa e a faz inchar. O real significado do fermento tem haver com algo que corrompe. É o que presenciamos em vários ministérios dito “cristãos”, que deixaram que as heresias destruidoras penetrassem corrompendo a pureza da palavra de Deus.
O apostolo Paulo exortava os irmãos sobre o risco do fermento: “Não é boa a vossa jactância. Não sabeis que um pouco de fermento leveda toda a massa? Lançai fora o velho fermento, para sejais nova massa, como sois de fato, sem fermento. Pois Cristo nosso cordeiro pascal foi imolado. Por isso celebremos a festa não com o velho fermento da maldade e da malicia, e sim com os asmos da sinceridade e da verdade.” 1 Co 5; 6 a 8. 
Paulo estava se referindo para que os irmãos deixassem velhas praticas e passassem agir de acordo como orienta a Palavra de Deus. Alertando para se deixasse a maldade e a malicia e passando agir com sinceridade e verdade.
O alerta era com aqueles que estavam no meio da Igreja, que se diziam irmãos, sendo impuro, ou avarento, ou idolatra, ou maldizente, ou beberrão, ou roubador. ( 1 Co 5;  11)
Hoje presenciamos o fermento em ação no meio da Igreja. A introdução do mundanismo, de heresias destruidoras no meio dos ministérios com único objetivo de corromper e enganar. A presença da religiosidade é patente aos nossos olhos.
Jesus quando ao confirmar a Nova Aliança na Ceia do Senhor, usou do Matzah (pão sem fermento), que alertava aos seus seguidores para que vigiassem para que a pureza do Evangelho do Reino não fosse corrompida.
Vemos alguns ministérios onde a fermento penetrou crescer e prosperar agregando grandes multidões. Aos olhos do mundo tais ministérios dar entender que Jesus está presente, pois seu nome é mencionado. Porém, isso é um tremendo engano!
Jesus está bem distante dali. Usam da Palavra de Deus, do nome de Jesus e mesmo mencionam e usam dos dons do Espirito Santo, porém, tudo não passa de uma farsa e de um engano.
Jesus alertou ao dizer: “Nem todos que me diz: Senhor, Senhor! Entrarão no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então, lhes direis explicitamente: Apartai-vos de mim, os que praticais iniquidade.” Mt 7; 21 a 23
Fica evidente que para o Senhor Jesus, obedecer à palavra é mais importante do que as manifestações dos dons. Pois é no nome de Jesus que os sinais acontecem e não pelos méritos e as virtudes daqueles que usam o nome do Senhor.
Tais homens se corromperam pelo dinheiro, pela poder e pela fama. Deixaram assim, o fermento do engano penetrar e desviar objetivo maior que é de proclamar o nome de Jesus e a suas virtudes, aquele que nos resgatou das trevas paras sua maravilhosa luz.
Enquanto Paulo fazia questão de afirmar que trabalhava com as próprias mãos. Tinha uma profissão para não ser pesado à igreja. Já os tais “apóstolos”, “bispos” e “pastores” e demais religiosos de hoje, longe deles, pensar em trabalhar, ter uma profissão, para não serem pesados à igreja.
Como os religiosos da época de Jesus, desejavam sempre a primazia nos lugares privilegiados, serem considerados como a nata da sociedade, serem reconhecidos, famosos e poderosos, em total contrassenso com aquilo que Paulo descreve do que é ser um servo de Cristo.
São deprimentes, e como tais atitudes têm influenciados a muitos, desviarem do verdadeiro propósito do evangelho do reino de Deus.
O evangelho do reino, prega renuncia, humildade, submissão, total desapego aos bens materiais. O evangelho pregado por esses homens incentivam tudo aquilo que Jesus, os apóstolos e Paulo condenavam.
Paulo já na sua época identificava tais obreiros. “Alguns, efetivamente, proclamam a Cristo por inveja e porfia; outros, porém fazem por boa vontade” Fp 1;15
Irmãos amados, sigamos a Jesus e não aos homens. Peçamos que o Espírito Santo nos guie e não nos deixe ser presa desses homens. E nem sermos levados pelo engano.
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Teologia da Conformidade 260
Praticando a palavra no dia a dia- Uma nação de sacerdotes!
Vós, porém, sois raça eleita, sacerdote real, nação santa povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para sua maravilhosa luz; vós sim, que, antes, não éreis povo de Deus, que não tinha alcançados misericórdia, mas, agora, alcançaste misericórdia.” 1 Pe2;9 e 10
O apostolo Pedro revela para aqueles que passaram a seguir a Jesus Cristo um novo paradigma, onde cada membro do corpo de Cristo foi escolhido para ser um sacerdote; povo de propriedade de Deus, nação santa, tal revelação dá uma dimensão nova, onde cada um é importante na obra e no corpo de Cristo Jesus.
Isto porque entendia que cada um era sacerdote, cada um obreiro, cada um tinha um SERVIÇO A DESEMPENHAR.
Pedro com essa palavra inspirada pelo Espírito Santo rompe com séculos de tradição judaica. A tradição de uma “casta sacerdotal” onde apenas alguns podiam ser sacerdotes. Esta era uma limitação dos tempos da velha aliança que só poderia mudar com a vinda de Jesus e a descida do Espírito Santo. Percebemos então nas palavras de Pedro o tom de exultação. O Espírito Santo esteve esperando muito tempo para trazer esta revelação.
No texto anterior de 1 Pe 2,9 o Espírito Santo destaca a seguintes palavras; raça, nação, povo. Todos são sacerdotes. Halleluyah!
Nestes dias devemos recuperar a revelação perdida. Devemos receber a palavra de Deus que nos dá através de Pedro e crer, e viver e proclamar: “SOMOS UMA NAÇÃO DE SACERDOTES”. Há um só chamado. Uma só vocação. Uma mesma condição para todos. Todos são servos de Deus e a igreja deve oferecer condições para que todos desenvolvam o seu serviço (ministério). Se a igreja é um lugar para alguns “super astros do púlpito”, enquanto os outros sentam e ouvem, e não é um lugar onde todos podem desenvolver o seu sacerdócio, então ela está atrofiada. Desta forma, não passa de um judaísmo reformado, um meio caminho entre a nova e a velha aliança, e não poderá alcançar o PROPÓSITO DE DEUS.
Quando Jesus disse:...”edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela...” não estava pensando em alguns pregadores superdotados. Estava pensando no seu povo. Ele pensava em todos. Halleluyah!
Porque assim como num só corpo temos muitos membros, mas nem todos os membros têm a mesma função, assim também nós, conquanto muitos somos um só corpo em Cristo e membros uns dos outros, tendo, porém, diferentes dons segundo a graça que nos foi dada: se profecia, seja segundo a proporção da fé; se ministério, dediquemo-nos ao ministério; ou o que ensina esmere-se no fazê-lo; ou o que exorta faça-o com dedicação; o que contribui, com liberalidade; o que preside com diligência; quem exerce misericórdia com alegria.” Rm 12; 4 a 8
Existe uma diversidade de funções que cada um deve exercer dentro do corpo, isso de acordo com os dons que recebeu. Para que todos sejam edificados e venham edificar o corpo de Cristo. Pois cada membro desse corpo deve cooperar com igual cuidado, em favor uns dos outros.  Porque também o corpo não é um só membro, mas muitos.
Pois é o Espirito Santo que dará o crescimento da Igreja, distribuindo os dons de acordo com a necessidade do corpo. Ora vós sois o corpo de Cristo; e, individualmente, membros desse corpo.
Sendo assim, todos estão envolvidos, não há exceção. É preciso que a Igreja seja envolvida nessa dinâmica.
Jesus mencionou que cada um deve dar fruto. “Todo ramo que, estando em mim, não der fruto, Ele (Pai) corta.... Se alguém não permanecer em mim, será lançado fora, a semelhança do ramo, e secará; e o apanham, lançam no fogo e o queimam” Jo 15; 2 a 6
Cada um tem uma função nesta Nação de Sacerdotes. Cada um é importante para Deus, Cada um tem um ministério a exercer. Não pode de alguma forma não participar.
Quando um ministério não procura a dar oportunidade para que cada um venha desenvolver o dom recebido, esse ministério, com certeza fracassará no proposito o qual foi levantado. Ficará atrofiado e não se desenvolverá de forma uniforme.
Amados! Precisamos resgatar a visão que o Espirito Santo deu a Pedro. Uma nação de Sacerdote, raça eleita, nação santa, povo de propriedade Deus. Devemos proclamar a todos e compreender a importância que temos dentro do corpo onde cada membro, não pode de maneira alguma ser menosprezado, pois, todos fazem parte do Corpo de Cristo e todos têm uma relevada importância. Halleluyah!
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Teologia da Conformidade 259
Praticando a palavra no dia a dia-Conhecendo o corpo de Cristo!
Chegando-vos para ele, a pedra que vive, rejeitada, sim, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa, também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santos, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo”. 1 Pe 2; 4 e 5
O apóstolo Paulo compara a igreja a um corpo. E Pedro que esse corpo é constituído por Pedras Vivas. Cada membro tem uma função nesse corpo. Cada membro deve colaborar uns com outros, para que haja unidade no corpo. Com objetivo que o corpo bem ajustado e consolidado pelo auxilio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para edificação de si mesmo em amor Ef 4;16 – Paulo afirma que o próprio corpo é que produz o seu aumento e a sua edificação.
“Porque, assim como o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, constituem um só corpo, assim também com respeito a Cristo” 1 Co 12;12
“Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, de quem todo corpo, bem ajustado e consolidado pelo auxílio de toda junta segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para edificação de si mesmo em amor”. Ef 4; 15 e 16
Como então ocorre isso?
É necessário compreendermos que para que isso ocorra é necessário que o corpo esteja bem ajustado e ligado pelo auxilio de toda junta. A comparação de Paulo, da Igreja com um corpo humano. Para que possamos entender como funciona o Corpo de Cristo que é a Igreja. Sabemos bem o que é um membro do corpo humano, por isso podemos entender o que é um membro no corpo de Cristo, e como cada membro é importante.
As juntas no corpo são articulações que forma conexões entre os ossos. Os ligamentos por sua vez passam por dentro das juntas e dão firmeza e resistência a estas ligações. Chegamos assim à conclusão que as juntas e ligamentos servem para harmonizar o corpo.
O mesmo principio se dá em relação ao Corpo de Cristo. As juntas e ligamentos são relações fortes, resistentes e especificas entre os membros, que produzem suprimento, cooperação, crescimento e edificação. Se a igreja não estiver assim estruturada, ela não funcionara de acordo com aquilo que o Espírito Santo idealizou para ela. Teremos um elemento sem harmonia e sem vida. Sendo assim quem não está vinculado dessa forma, não retém a Cabeça. –Pelo entendimento, Cristo através do Espírito Santo, comanda a igreja onde cada membro tem uma função especifica, onde esses membros devem estar no seu devido lugar de funcionamento, firmado e consolidado por juntas e ligamentos, com outros membros, para que Cristo venha comandar e Deus venha dar o devido crescimento.
Quando deparamos com um organismo que não funciona como aquele que foi idealizado pelo Espírito Santo, chegamos a seguinte conclusão:
Primeiro: Esse organismo não é a Igreja de Cristo;
Segundo: Quem esta no comando não é Jesus Cristo;
Terceiro: Quem está dando crescimento não é Deus.
É necessário refletirmos que Espírito Santo deixou procedimentos importantes do funcionamento da Igreja de Cristo. A dimensão do Corpo é bem mais profunda do que o entendimento de “igreja” que comumente nos é apresentada. É necessário continuarmos a nossa reflexão sobre esse assunto.
Segundo a biologia, ligamento é parte fibrosa e muito resistente, que serve para ligar os ossos ou os órgãos. Já as juntas são as articulações que forma conexões entre os ossos, onde os ligamentos passam por dentro destas juntas e dão firmeza e resistências as ligações.
A necessidade preeminente que o corpo esteja bem ajustado em perfeita união para que possa ter um crescimento uniforme. É necessário que cada membro coopere um com outro para que o corpo venha ser edificado. E essa motivação tem que ser em amor.
Desta maneira, passamos a entender por que os primeiros discípulos de Jesus, aqueles que creram, passaram viver juntos e tinham tudo em comum (At 2,44). Todos perseveravam na doutrina dos apóstolos.
Com crescimento da igreja houve a necessidade de se estabelecer ministérios específicos com a finalidade de ordenar os santos, com seus relacionamentos adequados, para que o corpo viesse a produzir o aumento e a edificação.
Amados! É preciso que cada pessoa que se diz seguidora de Jesus Cristo, seja membro frutífero. E que o fruto produzido; este venha permanecer.
A grande comissão que Jesus deixou para os apóstolos foi: “Ide, portanto fazei discípulos de todas as nações, batizando em nome do Pai, e do Filho, e do Espirito Santo; ensinando a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. Eis, que estou convosco todos os dias até a consumação do século.” Mt 28; 19 e 20
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges