Tradutor

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Teologia da Conformidade 259
Praticando a palavra no dia a dia-Conhecendo o corpo de Cristo!
Chegando-vos para ele, a pedra que vive, rejeitada, sim, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa, também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santos, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo”. 1 Pe 2; 4 e 5
O apóstolo Paulo compara a igreja a um corpo. E Pedro que esse corpo é constituído por Pedras Vivas. Cada membro tem uma função nesse corpo. Cada membro deve colaborar uns com outros, para que haja unidade no corpo. Com objetivo que o corpo bem ajustado e consolidado pelo auxilio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para edificação de si mesmo em amor Ef 4;16 – Paulo afirma que o próprio corpo é que produz o seu aumento e a sua edificação.
“Porque, assim como o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, constituem um só corpo, assim também com respeito a Cristo” 1 Co 12;12
“Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, de quem todo corpo, bem ajustado e consolidado pelo auxílio de toda junta segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para edificação de si mesmo em amor”. Ef 4; 15 e 16
Como então ocorre isso?
É necessário compreendermos que para que isso ocorra é necessário que o corpo esteja bem ajustado e ligado pelo auxilio de toda junta. A comparação de Paulo, da Igreja com um corpo humano. Para que possamos entender como funciona o Corpo de Cristo que é a Igreja. Sabemos bem o que é um membro do corpo humano, por isso podemos entender o que é um membro no corpo de Cristo, e como cada membro é importante.
As juntas no corpo são articulações que forma conexões entre os ossos. Os ligamentos por sua vez passam por dentro das juntas e dão firmeza e resistência a estas ligações. Chegamos assim à conclusão que as juntas e ligamentos servem para harmonizar o corpo.
O mesmo principio se dá em relação ao Corpo de Cristo. As juntas e ligamentos são relações fortes, resistentes e especificas entre os membros, que produzem suprimento, cooperação, crescimento e edificação. Se a igreja não estiver assim estruturada, ela não funcionara de acordo com aquilo que o Espírito Santo idealizou para ela. Teremos um elemento sem harmonia e sem vida. Sendo assim quem não está vinculado dessa forma, não retém a Cabeça. –Pelo entendimento, Cristo através do Espírito Santo, comanda a igreja onde cada membro tem uma função especifica, onde esses membros devem estar no seu devido lugar de funcionamento, firmado e consolidado por juntas e ligamentos, com outros membros, para que Cristo venha comandar e Deus venha dar o devido crescimento.
Quando deparamos com um organismo que não funciona como aquele que foi idealizado pelo Espírito Santo, chegamos a seguinte conclusão:
Primeiro: Esse organismo não é a Igreja de Cristo;
Segundo: Quem esta no comando não é Jesus Cristo;
Terceiro: Quem está dando crescimento não é Deus.
É necessário refletirmos que Espírito Santo deixou procedimentos importantes do funcionamento da Igreja de Cristo. A dimensão do Corpo é bem mais profunda do que o entendimento de “igreja” que comumente nos é apresentada. É necessário continuarmos a nossa reflexão sobre esse assunto.
Segundo a biologia, ligamento é parte fibrosa e muito resistente, que serve para ligar os ossos ou os órgãos. Já as juntas são as articulações que forma conexões entre os ossos, onde os ligamentos passam por dentro destas juntas e dão firmeza e resistências as ligações.
A necessidade preeminente que o corpo esteja bem ajustado em perfeita união para que possa ter um crescimento uniforme. É necessário que cada membro coopere um com outro para que o corpo venha ser edificado. E essa motivação tem que ser em amor.
Desta maneira, passamos a entender por que os primeiros discípulos de Jesus, aqueles que creram, passaram viver juntos e tinham tudo em comum (At 2,44). Todos perseveravam na doutrina dos apóstolos.
Com crescimento da igreja houve a necessidade de se estabelecer ministérios específicos com a finalidade de ordenar os santos, com seus relacionamentos adequados, para que o corpo viesse a produzir o aumento e a edificação.
Amados! É preciso que cada pessoa que se diz seguidora de Jesus Cristo, seja membro frutífero. E que o fruto produzido; este venha permanecer.
A grande comissão que Jesus deixou para os apóstolos foi: “Ide, portanto fazei discípulos de todas as nações, batizando em nome do Pai, e do Filho, e do Espirito Santo; ensinando a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. Eis, que estou convosco todos os dias até a consumação do século.” Mt 28; 19 e 20
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Teologia da Conformidade 258
Praticando a palavra no dia a dia- Andar na Luz!
Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com outros, e o sangue de Jesus, seu Filho nos purifica de todo pecado.” 1 Jo 1; 7
Existe sempre na Palavra de Deus, o questionamento de andar em trevas e de andar na luz. Para aqueles que não estão sobre o senhorio de Jesus Cristo, esses estão andando em trevas sobre o senhorio de satanás, segundo a Palavra de Deus.
O apostolo Paulo usava a mesma expressão para aqueles que viviam na pratica do pecado e numa vida dissoluta e exortava aqueles que receberam o senhorio de Cristo em suas vidas, para que andasse de acordo com proceder daqueles que foram tirados das trevas para luz.
Pois, outrora, éreis trevas, porém, agora, sois luz no Senhor; andai como filhos da luz, (porque o fruto da luz consiste  em toda bondade, justiça, e verdade), provando sempre o que é agradável ao Senhor” Ef 5; 8 a 10
Sendo assim, andar na luz é andar fazendo bem, sendo justo e verdadeiro, tais pratica que o mundo não considera.
Deparamos comumente com a maldade extrema, com injustiça e mentira nesse mundo tenebroso que jaz no maligno. É preciso que povo de Deus venha se posicionar contra tudo que seja oriundo das trevas. Como o apostolo Paulo exorta: ”E não sejais cúmplices nas obras infrutíferas das trevas; antes, porém, reprovai-as. Porque o que eles fazem em oculto, o só referir é vergonha.” Ef 5; 11 e 12
O povo de Deus deve de forma veemente repudiar e reprovar as obras infrutíferas das trevas. De modo algum, venha ser conivente com tais praticas.   Nunca vai existir comunhão das trevas com a luz.
Devemos reprovar todas as coisas, quando essas são reprovadas pela luz da palavra de Deus. É por isso que alguns ministérios perderam a visão dada pelo Espirito Santo e hoje dormem e se tornaram inoperantes, pois deixaram se envolver com as praticas oriundas das trevas e o mundanismo penetrou no seu meio. Tudo isso tem acontecido, pois deixaram que penetrasse doutrinas destruidoras em seu meio.
Paulo já exortava para esse perigo: “Acautelai-vos dos cães! Acautelai-vos dos maus obreiros! Acautelai-vos da falsa circuncisão!” Fp 3;2 – Pois para Paulo tais que usavam da religião com o único objetivo de desviar as pessoas da verdade da palavra de Deus, levando por vento de falsas doutrinas, com objetivo de leva-las a perdição.
O apostolo Judas exorta para esses adulteram a palavra de Deus. “Estes, porém, quanto a tudo que não entendem, difamam; e, quanto a tudo que compreendem por instinto natural, como brutos sem razão, até nessas coisas se corrompem.” Jd 1; 10
São pastores que se apascentam a si mesmos cujo objetivo é de se autopromover e se apropriar da boa fé das pessoas e de seus bens.
São aqueles os quais Paulo os chama de cães. Maus obreiros. Obreiros fraudulentos que torcem a palavra de Deus. 
Tais que procedem assim levam as pessoas a permanecerem nas trevas e a verdadeira luz lhes é desconhecida. Permanecem cativas sobre a sua orientação e sobre o seu jugo. Jugo este desigual!
Andar na luz consiste em andar na Paz verdadeira de Cristo Jesus.
Andar na luz é de ter a plenitude da alegria que só encontramos na presença do Senhor.
Andar na luz é experimentar a verdadeira liberdade, essa que, encontramos em Cristo Jesus.
Halleluyah!
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges



sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Teologia da Conformidade 257
Praticando a palavra no dia a dia- Andar como Ele andou!
“Aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou.” 1 Jo 2; 6
Se quisermos andar como Jesus andou, devemos conhecer como ele andou quando esteve aqui na terra. Os questionamentos que Jesus fazia dos religiosos da sua época. O proceder desses religiosos. E as boas novas do Evangelho com uma nova perspectiva de como servir a Deus, diferente dos religiosos da sua época.
Os meninos de Israel começavam estudar a Torah a partir dos seis anos de idade. Nos dez anos, esses meninos já sabiam a Torah de cor. Os meninos que se destacavam eram adotados por um rabino, e continuavam frequentando a sinagoga, e a escola judaica. Passavam esses meninos a serem chamados de Talmidim(discípulos), passavam a fazer parte da elite intelectual de Israel. Com doze anos eles tinham decorado toda as escrituras (os livros históricos, os livros poéticos, da sabedoria, os livros dos profetas). Aos quatorzes anos, eles debatiam a tradição oral, a interpretação de algum rabino o qual era chamado de JUGO, daquele rabino. No tempo de Jesus existiam dois rabinos que se destacavam que eram Hilel e Shamaí.
É exatamente aí, que aparece Jesus dizendo- Eu também tenho um jugo. Eu também tenho uma forma de interpretar a Lei de Moises. Eu também tenho uma forma de dizer qual é vontade de Deus. Eu também tenho uma interpretação para ensinar a vocês, como é que Deus deseja que vocês vivam. O que Jesus falava era extraordinário. Ele se diferenciava dos demais rabinos de sua época. Dizendo: Esses rabinos colocam sobre os seus ombros um jugo pesado. Exigências extraordinárias, e absurdas. Mas o meu jugo é suave e meu fardo é leve. E Ele faz um convite. Seja meu talmidim. Seja meu discípulo. Tome sobre você o meu jugo, pois este é suave e meu fardo é leve e os meus mandamentos não são penosos.
Em contra partida os religiosos da época de Jesus, o seu procedimento era:
·         Diziam mais não faziam; (Mt 23;3)
·         Atavam fardos pesados e difíceis de carregar, porém eles mesmos nem com dedo queriam movê-los; (Mt 23;4)
·         Praticavam as suas obras para serem vistos pelos homens; (Mt 23; 5)
·         Amavam os primeiros lugares; (Mt 23; 6)
·         Amavam as saudações nas praças e serem chamados de mestres pelos homens; (Mt 23; 7)
·         Fechavam o reino dos céus para homens, não entravam e nem deixavam entrar; (Mt 23; 13)
·         Eram avarentos, enganadores e hipócritas; (Mt 23; 14)
·         Eram guias de cegos; (Mt 23; 16)
·         Eram legalistas, porém, negligenciavam os preceitos importantes da lei, que são: justiça, misericórdia e a fé; (Mt 23; 23)
·         Eram semelhantes sepulcros caiados (cheio de hipocrisia e iniquidade); (Mt 23; 27)
·         Serpentes, raça de víboras, merecedores duplamente do inferno. ( 23; 33)
Então concluímos que uns do propósito dos seguidores de Jesus Cristo são de sermos servos uns dos outros. Isso se chama de Ministério.
Hoje temos observado que a igrejas cristãs tem se preocupado muito em ter “Membros” e não “Discípulos”. Não será devido a isso o fracasso de muitos cristãos?
Passam a vida em um banco de uma igreja. Membros dessas igrejas. Acomodados a essa vida e sem darem fruto. Em geral são participantes do trabalho da igreja, alguns são obreiros, porém não são discípulos.
Porém Jesus deu exemplo. Escolheu doze homens para acompanhá-lo bem de perto. E era convivência diária. Um ensino contínuo, para que seus discípulos aprendesse com ele o que deveriam posteriormente passar para os seus discípulos.
“A Noiva” de Cristo que o Senhor vem buscar será uma igreja composta por discípulos de Jesus.
Devemos entender que cada um é um sacerdote, cada é um obreiro, cada um tem um SERVIÇO A DESEMPENHAR.
Vós, porém, sois raça eleita, sacerdote real, nação santa povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou para sua maravilhosa luz”, 1 Pe2;9
Há uma necessidade proeminente a que venhamos estar nos sujeitando uns aos outros.
A submissão total à AUTORIDADE DE JESUS não é uma opção para o Salvo, mas uma condição para ser SALVO.
Jesus gostava de se relacionar com as pessoas. O discipulado consiste em relacionamento entre uns aos outros. Quando nos relacionamos passamos a nos conhecer melhor. Passamos a conhecer as virtudes e os defeitos de cada um.
Por isso a importância de tratarmos os principais problemas dos discípulos em sua vida no início da sua jornada com Jesus Cristo. O novo discípulo passará adequar a sua vida ao padrão do Reino de Deus. Surgirão muitas dificuldades, duvidas e lutas interiores param se adequar ao padrão exigido da palavra de Deus.
Paulo exortava que devíamos levar as cargas uns dos outros e, assim, cumpriríamos a lei de Cristo” Gl 6,2
Devemos assim dar singular importância para esse aspecto na vida do discípulo.
À medida que avançamos no ensino sobre a vida de Jesus e sobre os aspectos dos fundamentos cristãos, devemos tratar dos problemas conjugais, problemas financeiros, educação dos filhos, relacionamento no trabalho, etc., do discípulo.
O discípulo terá dificuldade em andar se os seus problemas pessoais não forem devidamente tratados. Pois ele ficará atento a esses problemas, dificultando assim dele se firmar na fé.
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Teologia da Conformidade 256
Praticando a palavra no dia a dia- O fardo pesado!
Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha.” Mt 7;24
Como no tempo de Jesus, em todos os tempos, é comum os religiosos conhecerem a palavra de Deus, porém, a sua prática é questionada pelas pessoas, pois esses falam uma coisa e fazem outra, contraria a palavra.
Jesus sempre censurava os escribas e fariseus com relação tal prática e alertava os seus discípulos para não agirem assim: “Fazei e guardai, pois, tudo quanto eles vos disserem, porém, não os imiteis em suas obras; porque dizem e não fazem.” Mt 23;3
Atam fardos pesados [e difíceis de carregar] e os põem sobre os ombros dos homens; entretanto, eles mesmos nem com um dedo querem movê-los.” Mt 23;4 – São estes que passam um remédio amargo para as pessoas. As enchem de penitencias, porém, nunca fizeram e nem vão fazer o que eles propõem. São estes os quais Jesus censurou por atar fardos pesados para pessoas carregarem. Alimentam os sentimentos de culpa, medo e rejeição das pessoas. Procuram torna-la escrava da sua palavra e da sua opinião, para que elas venham a fazer o que eles dizem. Essas pessoas passam a serem exploradas e manietadas. São aqueles que usam do engano para deixar as pessoas escravas de sua opinião e da sua influencia.
Porém, advertência que Jesus faz para aqueles que agem assim é: “Aí de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque fechais o reino dos céus diante dos homens; pois vós não entrais, nem deixam entrar os que estão entrando.” Mt 23; 13
Jesus é contundente com tal atitude desses homens, que impedem as pessoas a usufruírem das alegrias eternas e do conforto para suas almas. Esses homens com seus argumentos impedem e anulam a palavra de Deus, pois fecham o reino dos céus, não entrando e não deixando entrar. 
Jesus trouxe um novo referencial sobre o jugo, pois ele diz: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para vossas almas. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve.” Mt 11; 28 a 30
O objetivo do Senhor era de anular o paradigma usado pelos escribas, fariseus e doutores das leis da época, que procuravam subjugar o povo com fardos pesados, jugo pesado que povo não tinha capacidade para carregar. Por consequência, as pessoas por mais que fizessem não ficavam livres, da carga pesada; do sentimento de culpa, dos seus pecados, devido os fardos impostos por esses homens.
Jesus alertava: “Aprendei de mim, pois sou manso e humilde de coração!” – Em contra partida os escribas, fariseus e doutores das leis, eram tiranos, arrogantes e desprezavam o povo, pouco se importando com bem estar do povo, e o conforto que poderia trazer a palavra de Deus.
Jesus se apresenta como um Rabi humilde e manso onde o povo poderia ter a oportunidade de conhecer a dimensão da libertação que palavra proporciona.  - Como ele afirma: ”Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.”
Para os seus seguidores, Jesus propõem: ”Meu jugo é suave e meu fardo é leve” – Jesus faz um convite: Vinde a mim, todos os que estão cansados (da hipocrisia dos homens) e sobrecarregados (dos seus enganos que escravizam).
Para aqueles que aceitam o seu convite, Jesus propõem uma nova dimensão da compreensão da palavra de Deus e a verdadeira liberdade a qual a palavra de Deus, venha a ser um prazer e trazer alegria, e não um fardo pesado, difícil de carregar.
Como temos visto, é muito comum, se usar a palavra de Deus como meio coercitivo, de imposição e de manipulação.
A mensagem de Jesus, sempre foi de amor, esperança e fé. De confiança plena no Pai, que quer o melhor para o seu filho.
As pessoas precisam conhecer a mensagem de amor que Jesus trouxe aos homens. Usar no seu cotidiano, na sua vida diária. É preciso que cada um de nós mergulhe nela e que descubra um oceano de luz; e que descubramos a lição diária para o nosso dia a dia. Aprendamos a viver a palavra e não apenas conhece-la. A pratica-la e usa-la a cada dia de nossa vida.
 Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges



sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Teologia da Conformidade 255
Jerusalém a pedra pesada para todos os povos. Parte 2
Naquele dia, o Senhor protegerá os habitantes de Jerusalém; e o mais fraco será dentre eles, naquele dia, será como Davi, e a casa de Davi será como Deus, como o Anjo do Senhor diante deles. Naquele dia, procurarei destruir todas as nações que vierem contra Jerusalém.” Zc 12; 8 e 9
Com desmantelamento do Império Otomano no final da primeira guerra mundial, o exército britânico, comandado pelo general Allenby, conquistou Jerusalém em 1917. Entre 1922 a 1948 Jerusalém passou a ser a sede administrativa das autoridades britânicas na Palestina, que foram entregue aos britânicos pela Liga das Nações. Neste período a cidade de Jerusalém desenvolveu-se rapidamente, crescendo rumo ao oeste, passando a ser conhecida como “cidade nova”.
Em 14 de maio de 1948 de acordo com a resolução da ONU em 29 de novembro de 1947, Israel proclamou a sua independência, terminando assim, o mandato britânico. Jerusalém passou a ser a capital de Israel.
Opondo-se frontalmente ao novo Estado, os países árabes lançaram-se num ataque de varias frentes, o que deu origem a guerra da Independência entre 1948 a 1949. As linhas de armistício, traçada no fim da guerra, dividiram Jerusalém em duas partes: A Cidade Velha e as áreas ao redor, ao norte e ao sul, ficaram sob o domínio da Jordânia. Israel reteve o controle das partes ocidental e sudoeste da cidade.
Jerusalém foi novamente reunificada em 1967, quando a Jordânia tentou apodera-se da parte oriental da cidade. Israel fez guerra à Jordânia, conseguindo assim a sua reunificação. A parte da Cidade Velha foi restaurada e novamente os israelenses puderam visitar os lugares santos.
Durante o longo exilio dos judeus, as terras de Israel não passavam de um deserto desolado e Jerusalém, não tinha nenhuma importância para as nações.
Com retorno de judeus para terra prometida, e o surgimento do Novo Estado de Israel, Jerusalém passou a ter importância relevada não só para as nações árabes como também paro o mundo todo. Por que será?
De repente uma cidade sem nenhuma importância, durante o longo período que os judeus ficaram no exilio, Jerusalém volta a ter importância crucial para todo o mundo?
Isso nada mais é do que o cumprimento das profecias bíblicas se cumprindo diante dos nossos olhos. E todo mundo estarrecido e surpreso pelo cumprimento fidedigno das profecias.
Pensamos que só mundo cristão está atendo aos cumprimentos das profecias, engamos redondamente. Os céticos, ateus, exotéricos e a igreja católica romana estão atentos para cumprimento das profecias que se referem a Israel e a Jerusalém. É devido a isso essa disputa acirrada das trevas contra a luz, com objetivo de tomar o controle de Jerusalém, onde está previsto acontecimentos estupendos, onde todo mundo será abalado.
Um dos acontecimentos será o cumprimento cabal da profecia da última semana (70ª) a qual o profeta Daniel refere-se que são sete anos, onde os judeus enfrentarão grandes sofrimentos e perseguições (tempo de angustia de Jacó).
O crescimento do Islã é um dos fatores que Deus está permitindo para o mundo venha acordar. Porém, as escrituras afirmam que Deus não permitirá que o islamismo vença sua campanha de terror.
As profecias mencionadas pelo profeta Ezequiel uma delas, refere-se a uma batalha descrita por Ezequiel 38 e 39 a guerra de Gogue e Magogue, cuja descrição é bem detalhada entre todas profetizadas.
Deus está permitindo ao Islã que cresça, porém, no tempo determinado, Deus julgará o Islã e suas mentiras e o seu ódio por Israel e por todos que não aceitam o Islã.
Em breve virá o dia em que Deus, o verdadeiro Deus, já não tolerará o fanatismo islâmico e derramará o seu juízo sobre os seguidores de Alá – na batalha descrita por Ezequiel 38 e 39, quando as hostes das tropas islâmicas marcharão contra Israel liderada pela Rússia, sofrerão uma derrota cabal segundo descrito pelo profeta Ezequiel.
Como nos alerta Pedro: “Temos, assim, tanto mais confirmada a palavra profética, e fazeis bem em atendê-la, como uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em nosso coração, sabendo primeiramente isso; que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; porque nunca jamais  qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto homens [santos] falaram da parte de Deus, movidos pelo Espirito Santo.” 2 Pe 1; 19 a 21
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Teologia da Conformidade 254
Jerusalém a pedra pesada para todos os povos. Parte 1
Naquele dia, farei de Jerusalém uma pedra pesada para todos os povos; todos os que erguerem se ferirão gravemente; e, contra ele se ajuntarão todas as nações da terra”. Zc 12;3
É inegável afirmar que a cidade Jerusalém é um entrave nas negociações de Israel com os palestinos e que envolvem todo mundo.
Enquanto os judeus colocam Jerusalém como capital de Israel o mesmo quer o Estado Palestino. Quanto a isso, ninguém chega a nenhum consenso. A própria ONU com suas artimanhas e condenação a Israel, apoia a ideia de passar para o Estado Palestino o controle de Jerusalém ou tornar Jerusalém uma cidade internacional, sobre o seu controle.
Como afirmou Zacarias, Jerusalém passou a ser um cálice de tontear para todos os povos e uma pedra pesada, que impossibilita todo e qualquer acordo de paz nessa região.
Os judeus não podem e não vão abrir mão de Jerusalém, pois esta cidade faz parte da história de Israel.
O Rei Davi ao conquistar Jerusalém (2 Sm 5; 7 a 12), fez dela capital do seu reino e centro religioso de todo povo judeu, isso ocorreu por volta 1003 a.C. Porém, foi o seu filho Salomão quem construiu o templo (centro religioso e nacional do povo de Israel) e transformou a cidade em prospera capital de um império que se estendia do Eufrates até o Egito. De maneira alguma Israel abrirá mão de Jerusalém por qualquer acordo de paz que seja que venha ceder Jerusalém para os árabes.
Os árabes colocam Jerusalém como centro de peregrinação do Islã por isso da sua reivindicação de colocar Jerusalém como capital do Estado Palestino.
Deus foi tolerante para com os judeus, esperando que através da pregação dos apóstolos, esses viessem a reconhecer que Jesus era o Messias.  Deus deu a eles cerca de 70 anos.
Durante alguns anos, Jerusalém esteve livre da opressão estrangeira, até que em 70 d.C, as legiões romanas comandadas pelo general Tito conquistaram a cidade e destruíram o templo, como tinha sido profetizado por Jesus em Mt  24,2 que afirmava que “não ficaria pedra sobre pedra, que não seja derrubada”.
O Longo exilio do povo judeu, Jerusalém foi dominada por vários povos. Jerusalém após partida dos judeus era uma pequena cidade de província sem importância alguma, por mais de um século e meio e esse quadro só se modificou quando o imperador bizantino Constantino, transformou Jerusalém em um centro cristão.
Nesta época foi construída a basílica do Santo Sepulcro e as de mais construções que reportavam a vida de Jesus Cristo.
Por volta de 634 d.C, os exércitos mulçumanos invadiram a região e quatro anos mais tarde o califa Omar conquistou Jerusalém.
Por volta de 691 d. C, durante o reinado de Abad El-Malik, foi construído o Domo da Rocha a Mesquita de Omar.
A ocupação sobre o domínio da dinastia amíada de Damasco durou um século. Em 750 d.C Jerusalém passou a ser governada pela dinastia dos abássidas de Bagdá, durante esse período, começou o seu declínio.
Jerusalém foi conquistada pelos cruzados em 1099 d.C, onde massacraram os seus habitantes judeus e mulçumanos e fizeram a capital do reino Cruzado.
Neste período os cruzados destruíram sinagogas e mesquitas que foram transformadas em templos cristãos. Velhas igrejas cristãs foram reconstruídas. Este domínio deu-se até 1187 d.C quando a cidade foi conquistada por Saladino o curdo.
Os mamelucos, que eram a aristocracia feudal militar do Egito por volta de 1250 d.C. governaram Jerusalém, pois tinham a cidade apenas como centro teológico muçulmano, e a arruinaram a cidade economicamente, por seu desleixo e impostos exorbitantes.
Os turcos otomanos, dominaram a cidade por quatro séculos, conquistando a cidade em 1517 d.C. Foi neste período que Suleiman, o Magnífico, reconstruiu as muralhas de Jerusalém em 1537 d.C.
Cumpriu-se assim a profecia sobre o Messias em Ez 44;2 – “Disse-me o Senhor: Esta porta  estará fechada, não se abrirá ; ninguém entrará por ela. Porque o Senhor Deus de Israel entrou por ela, estará fechada”. Foi Suleiman o Magnífico, que ao saber da profecia sobre o Messias de Israel, em Zc 14;4, ordenou que o portão dourado fosse fechado. Que até hoje esta fechado, cumprindo-se assim a profecia em Ez 44;2.
Este fato refere-se à entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, relatada pelos evangelhos.
Durante os séculos XVII e XVIII, Jerusalém sofreu a sua pior decadência.
Jerusalém voltou a prosperar a partir da segunda metade do século XIX. Nesta época, uns crescentes números de judeus passaram a retornar a pátria ancestral, com o declínio do Império Otomano e o renovado interesse da Europa pela Terra Santa. Esses fatores propiciaram o reflorescimento da cidade.
Como base desse breve relato histórico, passamos a compreender afirmação feita pelo profeta Zacarias que nos últimos dias Jerusalém iria voltar a ter importância crucial para toda humanidade, passando a ser pedra pesada para todos os povos. Tal profecia está se cumprindo diante de nossos olhos.
Para aqueles que são céticos é um fato incontestável.
Daremos continuidade desse assunto nas próximas publicações.
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Teologia da Conformidade 253
O Perigo em se tornar morno!
Assim, porque és morno e nem és quente e nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca.” Ap 3; 16
A exortação que Jesus faz a igreja de Laodicéia é muito pertinente para os nossos dias, onde o rumo da igreja em especial aquela que se encontra no ocidental, gaba-se das suas conquistas no campo material e do poder em influenciar as nações.
Porém, esse poder, muitas das vezes está emparelhado com mundo e as suas ideias e não estão de acordo com a fundamentação doutrinaria da Palavra de Deus. Procura-se passar um evangelho a “gosto do freguês”, esvaziando em muito a sua profundidade e a sua eficácia. Por isso, temos visto uma igreja sem poder, onde a retórica está em palavras de homem e não na Palavra de Deus.  
Jesus exorta em sua palavra – “Pois dizes: Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma, e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego, e nu.” Ap 3; 17
As conquistas materiais de um determinado ministério, nem sempre está relacionada, que esse ministério esteja de acordo com que a Palavra de Deus ordena.
As palavras de Jesus para essa igreja são de reprovação e não de elogio. Por essa igreja afirmar que é rica e abastada e que não precisa de nada, denota total discordância com que Jesus deseja para sua igreja. Tanto que ele afirma que essa igreja é infeliz, miserável, pobre, cega e está nua. São afirmações bastante contundentes para essa igreja.
É mesmo que aconteceu quando a presença de Deus ausentou-se do templo, com a sua destruição por Nabucodonosor, rei da Babilônia.
Em uma igreja que está fundamentada apenas nas suas conquistas materiais onde o poder e autoridade se esvaíram no momento que se desviou buscando a se coadunar com autossuficiência própria e orgulhando disso, tanto que Jesus lhe diz  “Aconselho-te que de mim compres ouro refinado pelo fogo para te enriqueceres, vestiduras brancas para te vestires, a fim de que não seja manifesta a vergonha da tua nudez, e colírio para ungires os olhos, a fim de que vejas.” Ap 3; 18
Jesus oferece um conselho para guia-la de volta a comunhão íntima com ele.
O primeiro conselho tem que haver com ouro refinado no fogo.
O que significa ouro refinado no fogo?
O ouro refinado pelo fogo é aquele que não possui nenhuma impureza. Para o entendimento que temos são as riquezas espirituais que ganhamos quando em comunhão com Cristo, refinado nas provações e nas intervenções divinas no meio das desgraças. Seria a conquista do poder e da autoridade perdida pela igreja, devido ao seu desvio dos valores verdadeiros daqueles que Deus dar valor.  
Para uma igreja nua que precisa comprar vestiduras brancas, o Senhor aconselha a buscar os atos de justiça e a lutar para que haja justiça em um mundo alicerçado em muitas injustiças, que tome partido do sofrimento daqueles que sofrem.
Outro conselho tem haver em comprar colírio para os olhos, trata-se em cura-se da cegueira espiritual que aflige os orgulhosos e autossuficientes, aqueles que se julgam alguma coisa, não sendo nada. São aqueles que se esqueceram do sacrifício de Jesus e passaram a confiar em si mesmos. 
Advertência que o Senhor Jesus faz para essa igreja é que a correção que vem de Deus é uma manifestação de seu amor, pois corrige aquele que ele ama. A disciplina é para o nosso próprio bem. Ele quer novamente conduzir a igreja ao arrependimento e a plena comunhão com ele. A disciplina aplicada aos servos de Deus é motivada pelo amor, do mesmo modo que os pais corrigem os seus filhos.  Deus nos corrige para o nosso próprio bem.
Sê, pois, zeloso e arrepende-te. A solução está no verdadeiro arrependimento que é sacrifício sublime que Deus jamais desprezará.
É necessário que sejamos zelosos e praticantes da Palavra de Deus.
Deus nos escolheu para venhamos a dar fruto e esse fruto venha permanecer. Deus sabe das nossas limitações. Ele nos ajudará superar a todos os obstáculos, Devemos sim, está ciente que devemos dar um passo na mediada da fé que temos.
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges