Tradutor

sábado, 24 de setembro de 2016

Teologia da Conformidade 249
A Capacidade que o mundo tem de acreditar em nulidades! Parte 03
Aí daqueles que ao mal chamam bem e ao bem, mal; que fazem da treva luz e da luz, treva; põem o amargo por doce e o doce, por amargo!” Is 6;20
Algo que está se tornando corriqueiro em nossos dias, é a inversão de valores, onde alguns têm de forma descarada, inverter os valores. Principalmente aqueles oriundos da Palavra de Deus.
Tais palavras do profeta Isaías são tão atuais como se tivessem sido escritas em nossos dias. A todo custo alguns vem a público, para que as pessoas aceitem uma mentira como verdade. Insistem nisso, repetindo muitas das vezes, até as pessoas passem a não mais questiona-las e passem aceitar. Mentira é mentira. E logo serão desmascaradas! Porém, tem algumas que mundo pegou como bandeira.
Agora, quando mentira vem de um religioso que se diz cristão, a coisa pega! Foi o que afirmou o Papa Francisco quando disse que Adão e Eva não são reais. Será que ele prefere disser que a humanidade surgiu do elo comum dos macacos através de varias evoluções, como afirma a teoria da evolução?
Sabemos que igreja católica romana aceita e teoria da evolução, inclusive elaborou uma teoria similar que é a teoria “evolucionismo-teísta” – que aceita teoria da evolução, porém, Deus é agente da criação.
Quando muitos cientistas tem chegado à conclusão que a Teoria da Evolução é uma tremenda furada, vem um religioso, com as suas afirmações, coloca em cheque toda Bíblia, como sendo a Palavra de Deus. Ora! Sabemos que aqueles que abraçam a teoria da evolução, são na sua maioria ateus, que não acreditam em Deus e nem na Bíblia. Quando de repente, surge um líder religioso que comanda milhões de pessoas, que confirma o que eles dizem; deveras isso irá gerar muita confusão.
Muitos cientistas, hoje em dia, já contestam a teoria de Darwin, que de forma alguma não se sustenta como ciência pelas inúmeras comprovações cientifica que são contundentes contra essa teoria. Quando se examina logicamente as suas asserções e afirmações para verificarem se são verdadeiras, identificamos os pressupostos filosóficos e os epistemológicos que são adjacentes. Chegamos à conclusão que o evolucionismo está comprometido de forma bem consistente com o naturalismo filosófico-ateísta. Aqueles que defendem o evolucionismo defendem não em base cientifica, mas sim como uma fé fundamentada em um naturalismo filosófico, tal qual uma religião; que nega de forma bem enfática legitimar a asserção de uma visão teísta de mundo na universidade secular.
Abordando a concepção religiosa cristã, a qual afirma que homem foi criado por Deus por uma ação direta dele. Tanto que o sexto dia da criação foi destinado ao homem, sendo no principio o homem foi criado a imagem e semelhança de Deus como afirma Gn 1;27 “Portanto Deus criou o homem a sua imagem; a imagem de Deus os criou;” – Pela complexidade do ser humano, comprovada pela ciência, que difere de forma contundente dos demais animais, onde a principal é de pensar e de interagir com meio em que vive. De especular, de descobrir leis e sugerir dogmas e ciência, fica sem nexo admitir que fosse necessário o homem passar por um processo evolutivo de milhões de ano, até chegar ao homem sapiens.
Porém, alguns tendem em acreditar que o homem evoluiu progressivamente, para isso usam de fosseis que atribuem aos antecessores do homem, usando isso para provar a fundamentação cientifica da evolução que não se sustenta, pelas descobertas recentes da ciência, que contradiz tais afirmações. Muitos desses fósseis são de animais, alguns extintos, pois quando passam para comprovação do DNA, não é consistente com o do homem.  Alguns paleontólogos usaram da fraude para enganar a classe cientifica, esse foi o caso do “Homem de Piltdown” e do “Homem de Nebraska” o qual dente que afirmava pertencer a esse fóssil era de um porco. E alguns outros que posteriormente foi dado como prova veio a ser descartados por não serem consistente.
A ciência comprovou que os estudos de DNA de varias populações indicam que todos os seres humanos que habitam na terra são descendentes de um mesmo homem e de uma mesma mulher.
Desde que passamos a ter entendimento das antigas escrita dos povos antigos, é comum observar, a interação desses povos com um ser supremo, um “deus”. Faz parte do homem, está entranhado no próprio homem, a sua relação com um ser superior.
Para os ateístas, isso é um atraso, pois para eles Deus não existe. Baseia suas concepções na ciência, aceitando as suas afirmações como verdade. Cuja suas crenças fundamentam-se no naturalismo filosófico, que também é uma religião. Pois acreditar no que afirma a teoria da evolução, que em geral está fundamentada em conceitos científicos vazios que para aceita-los devem ser sustentados pela fé. Em outras palavras é preciso mais fé naquilo que eles afirmam do que acreditar em um Deus criador dos céus e da terra.
As afirmações do Papa Francisco continuam gerando debate quando ele afirma: “O catolicismo é uma religião agora “moderna e razoável”, que passou por mudanças evolutivas. Hora de deixar toda intolerância. Devemos reconhecer que a verdade religiosa evoluiu e muda. A verdade não é absoluta ou imutável. Deus esta mudando e evoluindo como nós somos, porque deus habita em nós e em nossos corações. Quando espalhar o amor e bondade no mundo, nós reconheceremos nossa divindade. A Bíblia é um livro sagrado bonito, mas como todas as grandes obras antigas, algumas passagens estão desatualizadas. Algumas passagens chama mesmo para intolerância ou julgamento. É o tempo de ver estes versos como interpolações posteriores, contra a mensagem do amor e da verdade. É preciso se fazer nova compreensão...”
Vamos e venhamos! Com tais afirmações Francisco da um xeque-mate na verdade, no Absolutismo de Deus e por tabela na Bíblia.
Voltaremos a questionar a tais argumentos!
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Teologia da Conformidade 248
A Capacidade que o mundo tem de acreditar em nulidades! Parte 02
Deus é o juiz, a um abate ao outro exalta, Porque não mão do Senhor há um cálice cujo vinho espuma, cheio de mistura; dele dá de beber; sorvem-no, até as escorias, todos os ímpios da terra.” Sl 75; 7 e 8
A Bíblia retrata a Deus como o justo juiz. Que sabe recompensar aqueles que obedecem aos seus mandamentos e castiga aqueles que lhe são rebeldes a sua palavra.
Exalta um e abate a outros que andam de forma arrogante e soberba.
Afirmar que Deus não é juiz, é um absurdo como afirmou o Papa Francisco; “Deus não é juiz, mas um amigo e amante da humanidade. Deus nos procura não para condenar, mas para abraçar.” - Há uma contradição em afirmar tal coisa!
A Palavra nos afirma que: “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” Jo 3;16
Se Deus enviou a Jesus para salvar todo aquele que nele crê, deduzimos assim, que onde há salvação, também poderá haver condenação!
Se o inferno é lugar metafórico ou uma figura de linguagem, existe uma contradição.
Qual o sentido de se ir à igreja e a buscar a Deus?
Tanto importa ir ou não ir!
Como o Papa Francisco afirma que: “Todas as religiões são verdadeiras, porque elas são verdadeiras nos corações de todos aqueles que acreditam nele. Como um Pai amoroso, nunca condena os seus filhos. Nossa igreja é grande suficiente para heterossexuais e homossexuais, pró-vida e pró-escolha! Para os conservadores e liberais, até mesmo os comunistas são bem vindos e se juntarem a nós. Todos nós amamos e adoráramos o mesmo deus”.
Que deus é esse, que ele se refere?
Uma coisa possa afirmar que o Deus da Bíblia não é! E nem Jesus faz parte de tal argumento.
Sabemos que o deus dos budistas e não é o mesmo Deus da Bíblia. Que deus dos hindus, não é o mesmo Deus da Bíblia, pois nessa religião existem vários deuses. E que o deus do Islã, não é o mesmo Deus da Bíblia. Então tal afirmação é uma heresia e não condiz com a verdade.
Como podemos colocar juntos comunista, liberais, conservadores e homossexuais. Aqueles que são a favor do aborto e das promiscuidades. Podem-se conciliar tantos pensamentos contundentes a chegar a um comum acordo?
Existe sim, aquele que é o mestre do “engano”, o diabo. O mentor de todas as heresias e rebelião contra o Deus Eterno. E esses tais, que afirmam tal coisa, são seus agentes. São aqueles após escaparem das contaminações do mundo pelo conhecimento de Jesus Cristo foram vencidos pelo mundo e seus argumentos, tornando-se o seu último estado pior do que o primeiro, pois se tornaram diante Deus inescusáveis. Pois fecharam o reino dos céus diante dos homens; pois não entram, nem deixam entrar os que estão entrando. (Mt 23;13)
Não tem como conciliar todas as vertentes sobre uma mesma liderança. Porém, estamos vivendo nos últimos dias. Tudo no cenário mundial está sendo preparado para “aquele” que fará essa proposta de colocar todos sobre uma mesma liderança; todos aqueles que não aceitam a Palavra de Deus, a Bíblia.
O Espirito de rebelião está em ação no mundo!
O apostolo João já alertava para aqueles que usarão da religião para unificar sob a mesma bandeira. - “Filhinhos, já é a última hora; e, como ouviste que vem o anticristo, também agora, muitos anticristos tem surgido; pelo que conhecemos que é a última hora. Eles saíram de nosso meio; entretanto não eram dos nossos; porque se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco; todavia eles se foram para que ficasse manifesto que nenhum deles é dos nossos.” 1 Jo 2; 18 e 19
João afirma categoricamente que esses tais, os quais ele chamou de anticristos, saíram do meio daqueles que foram uma vez iluminados com a revelação de Cristo Jesus e posteriormente profanaram o caminho da verdade.
Tais afirmações feitas pelo Papa Francisco, o coloca em cheque. Tanto que até no meio da igreja católica romana, alguns foram contrários a tais afirmações, pois descaracterizam os dogmas e os sacramentos da própria igreja. Por exemplo: Para que confessar os pecados, se não há condenação?
Para que fazer as boas obras e participar dos sacramentos, se eles não servem para nada?
Tais questionamentos abalam os católicos praticantes, pois colocam em cheque os dogmas da igreja.
Se qualquer um, sendo religioso ou não, não terão que prestar conta de seus atos perante Deus, então para qual serventia de frequentar a igreja e ir à missa aos domingos?
Esses argumentos que foram feitos pelo Papa Francisco, pode causar ainda mais perda para igreja católica romana. Se objetivo era de agradar “gregos e troianos”, eu creio, que irá causar mais duvidas e desconfiança para aqueles que de forma simplória seguem a fé católica.
Por isso amado, devemos estar atentos a tudo. Façamos como os irmãos de Beréia, pois quando receberam a palavra com toda avidez, examinaram as escrituras todos os dias para ver se as coisas eram de fato, assim como Paulo falava. (At 17;11)
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה


Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Teologia da Conformidade 247
A Capacidade que o mundo tem de acreditar em nulidades! Parte 01
Tais homens são por isso, indesculpáveis; porquanto tendo o conhecimento de Deus, não o glorificam como Deus, nem deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurendo-se-lhes o coração insensato.” Rm 1; 20 a 21
É muito comum surgirem ideias, opiniões diversas e questionamento de vários assuntos. Principalmente quando se referem a passagens da Palavra de Deus. Inclusive tais opiniões e pareceres vêm de pessoas que são líderes religiosos ou teólogos.
Uma dessas opiniões surgiu do líder da Igreja Católica Romana, quando afirma: “Não há fogo no inferno, Adão e Eva não são reais, diz o Papa Francisco”. Tal afirmação vem com argumentação que Deus sendo amoroso, não irá fazer com que as pessoas passem a eternidade em sofrimento eterno. A igreja não acredita em um inferno literal onde as pessoas sofrem. Essa doutrina é incompatível com o amor de Deus. Deus não é juiz, mas um amigo e amante da humanidade. Deus nos procura não para condenar, mas para abraçar. Como a história de Adão e Eva, nós vemos o inferno como um artificio literário. O inferno é só uma metáfora da alma exilada (ou isolada), que, como todas as almas em última analisem, estão unidos no amor com Deus. – Papa Francisco/thefolha.com.br/2015
Com tais afirmações, o mundo aplaude como a revista Time que o nomeou o “homem do ano”.
Interessante! Que esse argumento é muito usado por muita gente. Pois afirma que Deus é amor; é incompatível a condenação em um inferno de fogo por toda eternidade.
Jesus referia-se ao inferno como lugar de sofrimento. Mencionou o inferno nos evangelhos 14 vezes. Jesus falou mais do inferno do que do céu.
A própria igreja católica, faz referencia como lugar de sofrimento, temporário, chamado de purgatório. Porém as escrituras são bem claras a respeito da natureza do inferno, como sendo um lugar de perdição eterna. “Que nos salvou, e chamou com uma santa vocação, não segundo as nossas obras, mas segundo o seu proposito e graça que nos foi dado em Cristo Jesus antes dos tempos dos séculos.” 2 Tm 1;9
E irão estes para o castigo eterno, porém os justos, para vida eterna.” Mt 25;46
Portanto se a tua mão ou o teu pé te faz tropeçar, corta-o e lança-o fora de ti; melhor entrares manco ou aleijado do que tendo duas mãos ou dois pés seres lançado no fogo eterno.” Mt 18;8 – Chegamos a conclusão por tais afirmações feitas por Jesus que o inferno não é um lugar passageiro, e nem uma metáfora, ou lugar fictício ou literal, mas sim um lugar real sem nem uma esperança de uma liberdade condicional posterior.
Sendo assim, quando um líder religioso chama esse lugar de uma metáfora ou de uma figura de linguagem, isso é contundente com que as Escrituras afirmam.
Outro argumento oriundo de tais afirmações seria que o homem não precisaria de um salvador pessoal e a vinda de Jesus não tem sentido é nula. Pois o homem está livre da punição eterna, não precisando ser salvo.  O sacrifício da cruz é inútil e sem sentido algum.
Outra afirmação de que Deus não é juiz: “Deus não é juiz, mas um amigo e amante da humanidade. Deus nos procura não para condenar, mas para abraçar.” - Papa Francisco.
O homem é um ser imortal com uma alma imortal. Os eleitos viverão na presença de Deus, mediante a sua graça. Porém para aqueles que desdenham e faz pouco caso do que afirma as Escrituras irão experimentar a justa e correta ira de Deus.
E porque o Senhor sabe livrar da provação os piedosos e reservar sob castigo, os injustos para o Dia do Juízo”. 2 Pe 2;9 
Como se pode afirmar que Deus não julgará os pecadores?
Tais argumentos humanistas são nulos diante de Deus. Nenhum homem pode anular o que Deus afirma na sua Palavra, o que vai fazer, mesmo que seja apenas, para agradar o mundo.
Tais afirmações que contradiz o alicerce do cristianismo faz com que tudo fique sem sentido.
Alguns poderão perguntar: Porque Jesus morreu na cruz?
Não tem sentido isso. Pois todos os homens serão salvos!
Pode um, que se diz “Vigário de Cristo”, anular o que afirmou aquele que fundou cristianismo?
Pode o servo anular o que foi dito pelo seu Senhor?
Pois sabemos que aqueles que são unidos com Cristo Jesus são libertos da condenação. Pois já não há nenhuma condenação para os que estão em Cristo Jesus (Rm 8;1)
Como a Bíblia continuamente fala em salvação e condenação?
Não tem sentido, pois todos irão ser salvos!
Pedro exorta para aqueles que querem tripudiar em cima da Palavra de Deus. “Portanto, se, depois de terem escapado das contaminações do mundo mediante o conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, se deixam enredar de novo e são vencidos, tornou-se o último estado pior do que o primeiro. Pois melhor lhe fora nunca tivessem conhecido o caminho da justiça do que após conhecê-lo, volverem para trás, apartando-se do santo mandamento que lhes fora dado.” 2 Pe 2; 20 a 21
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Teologia da Conformidade 246
Senhor, ensina-nos a orar!
Um dos discípulos pediu a Jesus: Ensina-nos a orar como também João ensinou aos seus discípulos.” Lc 11;1
Na sociedade em que Jesus vivia, era muito comum pedir instrução ao seu mestre, principalmente como se deve orar. Jesus inúmeras vezes, através do exemplo, mostrava a importância da oração. Foi nesse contexto que a pratica da oração particular despertou nos seus discípulos o desejo de aprender a orar também.
Jesus deixou um modelo de oração que foi Pai Nosso, porém, em seguida relata aos seus discípulos a parábola do amigo inoportuno (Lc 11; 5 a 8). Ele lança mão de algo que era bastante familiar aos seus ouvintes daquela época a regra judaica dos contrates. Essa regra era aplicada pelos mestres quando desejam destacar algo maior, por meio do ensino de algo menor. Neste contexto o homem decide importunar seu amigo porque sabe que será finalmente atendido. Assim Jesus nos ensina que podemos procurar a Deus em oração, porque ele não apenas ouve nossas orações, mas responde sempre de modo satisfatório para o nosso bem. Jesus deixa isso muito claro!
Ora, se o seu vizinho vem te importunar à meia-noite, pedindo pão para atender um outro amigo que chegou de viagem inesperadamente, mesmo a contragosto, você se levanta e vai atender, para ficar livre desse inoportuno. Quanto mais o Deus Pai atenderá aos seus filhos que clamam a ele de noite e de dia?
O que Jesus quer nos passar nesta parábola é a persistência. Devemos sempre persistir na oração, até sermos atendidos. Como ele afirma: ”Por isso, vos digo: Pedi e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois todo que pede, recebe; o que busca encontra; e a quem bate, abrir-se-lhe-á.” Lc 11; 9 e 10
A promessa de Deus não se limita apenas atender a nossa oração. Deus promete fazer: “Ora, aquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós, a ele seja a glória, na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo sempre”. Amém! Ef 3; 20 e 21
Toda oração feita de acordo com a sua vontade, ele nos atende: “E esta é a confiança que temos para com ele; que, se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve. E, sabemos que ele nos ouve quando o que lhe pedimos, estamos certos de que obtemos os pedidos que lhe temos feitos.” 1 Jo 5; 14 e 15
Deus nos atende as nossas petições com uma única resposta apropriada para cada uma delas. Além do mais, Jesus nos manda orar em seu próprio nome, algo que equivale dizer que é o próprio Senhor Jesus quem está fazendo aquela oração.
A verdade principal desta parábola tem por objetivo mostrar a perseverança na oração, com humildade e confiança. Pois tudo que pedimos crendo, seremos atendidos no tempo oportuno, se não esmorecermos.
Busquemos sempre ajuda do Espirito Santo, para que nos ajude a orar.
Também o Espirito, semelhantemente nos assiste em nossas fraquezas; porque não sabemos orar como convém, mas o mesmo Espirito intercede por nós sobremaneira, com gemidos inexprimíveis.” Rm 8;26
Amados! Perseveremos na oração e não sejamos negligentes. Pois a oração muda às coisas. Ela redireciona pessoas e situações. Embora seja a força mais poderosa da terra, ele é provavelmente a mais subutilizada também. Sejamos sim, fervorosos na oração, e no nome de Jesus, nome que está acima de todo nome, vamos contemplar as maravilhas de Deus, acontecendo nesta terra. Halleluyah!
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Teologia da Conformidade 245
A justiça própria dos homens. Parte 2
Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir.” Mt 5;17
Jesus veio para cumprir a Lei. Temos diante do Pai, um sumo sacerdote que se compadece das nossas fraquezas; tendo sido tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado. (Hb 4;15). Pois tendo sido tentado em todas as coisas, ele é poderoso para socorrer os que são tentados (Hb 2;18).
Não nos baseemos em nossa justiça própria; e nem nos nossos próprios méritos, pois não temos nenhum. Mas sim no mérito de Jesus Cristo. Que é a nossa justiça, perante o Pai, e Deus Eterno.
Vivenciamos tempos trabalhosos, onde os valores são invertidos, a justiça por sua vez tem sido parcial e negligente. Onde aqueles que possuem dinheiro e poder, são poupados de serem penalizados e a justiça não é feita, ficando impunes pela justiça dos homens.
Tomemos por exemplo à parábola do juiz iniquo proferida por Jesus:  Havia em certa cidade um juiz que não temia a Deus, nem respeitava homem algum. Havia também, naquela mesma cidade uma viúva que vinha ter com ele, dizendo: Julga a minha causa contra o meu adversário. Ele por algum tempo, não quis atender; mas, depois, disse consigo: Bem que eu não temo a Deus, nem respeito homem algum; todavia como esta viúva me importuna, julgarei a sua causa, para não suceder que, por fim, venha molestar-me.
Então disse o Senhor: Considerai no que diz este juiz iniquo.
Não fará Deus justiça aos seus escolhidos, que a ele clamam dia e noite, embora pareça demorado em defendê-los?
Digo-vos que, depressa, lhes fará justiça. Lc 18; 2 a 8
Muitas das vezes nos indignamos com as injustiças. E algumas dessas injustiças vêm daqueles que se dizem religiosos, que com os seus escândalos afrontam as pessoas e o próprio Deus.
São aqueles que como o juiz iníquo, não temem a Deus, onde suas consciências foram cauterizadas pelo diabo e por suas ações escandalizam a muitos.
Jesus nos alertou sobre os escândalos: “Aí do mundo, por causa dos escândalos; porque é inevitável que venham escândalos, mas aí do homem pelo qual vem o escândalo!” Mt 18;7 – Principalmente por aqueles que se dizem arautos e falam em nome do Senhor. Esses devem temer o mais duro juízo sobre eles, caso não procedam corretamente. Pois o Senhor não faz acepção de pessoas. E cada um julgará segundo o seu proceder.
Deus considera a justiça do homem, como trapo de imundícia. (Is 64;6)
Como próprio apostolo Paulo que era seita dos fariseus, discípulo de Gamaliel, descreve-se assim: “ Bem que eu poderia confiar também na carne. Se qualquer outro pensa que pode confiar na carne, eu ainda mais; circuncidado no oitavo dia, da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus; quanto á lei, fariseu, quanto ao zelo perseguidor da igreja, quanto à justiça que há na lei, irrepreensível.
Mas o que para mim era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo. Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo e ser achado nele, não tendo justiça própria, que procede da lei, senão a que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé”. Fp 3; 4 a 9
Amados, devemos buscar sempre a justiça que procede de Deus. Basta que com a oração e suplica, busquemos naquele que pode atender plenamente a nossa sede justiça. Que possamos orar para que, logo todo mundo venha ser objeto da justiça de Deus.
Que o engano seja desmascarado, pois a mentira não poderá prevalecer contra a verdade. Pois Deus é justiça!
A Palavra de Deus é a verdade. E Jesus nos disse: “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”. Jo 8;32
Devemos sim, sermos prudentes em nosso parecer. Que não venhamos a julgar segundo aparência, e sim pela reta justiça. ( Jo 7;24)
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Teologia da Conformidade 244
A justiça própria dos homens. Parte 1
Bem aventurados aqueles que têm fome e sede justiça, porque serão fartos”. Mt 5;6
Hoje, mais do que nunca o mundo clama por justiça! Quantos se consideram injustiçados, pois não encontram justiça para as suas causas. Cada vez mais, os homens estão desiludidos, com justiça própria do homem, pois é uma justiça parcial. Principalmente os menos favorecidos. Porém, Jesus nos garantiu que para aqueles que têm fome e sede justiça, esses serão fartos.
Sentir fome e sede faz parte da natureza humana. É uma necessidade básica que precisa que ser satisfeita para todo ser humano.
Jesus presenciou na sua época, como a justiça era exercitada por aqueles que detinham o poder. Ela praticamente não existia para elite religiosa, para os ricos e para os governantes, que eram corruptos e parciais nos seus julgamentos, tanto que o seu julgamento feito por Pilatos, foi uma fraude, pois o próprio juiz achava o acusado inocente, mesmo assim condenou Jesus a cruz por causa da elite religiosa que incentivou ao povo a pedir a condenação de Jesus.
Quando Jesus falava de uma justiça plena, essa, só se realizará quando ele reinar neste planeta.
Justiça tem muito haver com tribunal, condenação, pagamento, juiz e réu. A justiça humana baseia-se em leis estabelecidas e criada pelo próprio homem de acordo com a sociedade. Tanto que de acordo com determinado país uma lei pode punir uma mulher de dirigir um carro e em outro país, essa lei não tem sentido algum, pois é natural a mulher dirigir um veículo. Vemos assim que as leis são parciais. Porém, quando uma lei vai contra a liberdade ou livre arbítrio dos homens, essa lei é radical.
Tomemos por exemplo o Islã. Objetivo final do islamismo é subjugar o mundo e regê-lo pelas leis islâmicas, mesmo que isso necessite matar e destruir “infiéis ou incrédulos” da religião. Segundo eles, Alá deixou dois mandamentos importantes: o de subjugar o mundo militarmente e matar os inimigos do islamismo – os idolatras (seriam os judeus e cristãos).
Fazendo-se uma comparação com que Jesus disse em relação aos nossos inimigos: “Ouviste que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem.” Mt 5; 43 e 44
Os dois mandamentos que Jesus deixou foi: “Amaras o Senhor, teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento. O segundo, semelhante a este, é; Amaras o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda Lei e os Profetas.” Mt 22; 37 a 40
Interessante o que o profeta Maomé fala em relação o que Alá acha em relação aos seus inimigos é de matar e impor o Islã pela força. O que Jesus disse é de amar o inimigo e orar por aquele que nos persegue.
O questionamento é esse: Será que Alá é o mesmo Deus da Bíblia o qual Jesus estava se referindo?
Se Alá é o verdadeiro deus, então, o Deus da Bíblia é um falso Deus. Porém, os milagres que ocorreram através de Jesus e as profecias feitas na Bíblia, que estão se cumprindo cabalmente, demonstra o contrario.  
Quem está com a razão?
Faça uma reflexão do que fala Maomé e do que fala Jesus.
De maneira alguma Deus nunca se contradiz naquilo que fala. Se Deus é amor. “Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor.” 1 Jo 4;8 – Aqueles que pregam o ódio, a intolerância, e desrespeito as convicções pessoais das pessoas, de maneira alguma conhece ao Deus verdadeiro. Aquele que amou o mundo de tal maneira, deu o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados, para houvesse reconciliação entre Ele e os homens. Esse é um Deus de amor.
A justiça será feita por Deus, após o julgamento de cada um de acordo com as suas obras. Pois quem convence o homem do pecado, da justiça e do juízo é o Espirito Santo.
Jesus nunca pregou que fizéssemos justiça por meio da força e pela imposição das armas. Tanto que ele afirma: “Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois, com o critério com que julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que tiverdes medido vos medirão também.” Mt 7; 1 e 2 
O que o Senhor Jesus está afirmando que o nosso julgamento será sempre parcial; baseamos-nos no que vemos. E aquilo que vemos é o aparente. Porém, o julgamento de Deus é integral, pois sonda a mente e o coração do homem. Deus sabe o que se passa no interior do homem. Enquanto que nós vemos, apenas de forma superficial segundo os nossos conceitos pessoais, que muitas das vezes são preconceituosos.
A Palavra de Deus afirma: ”O julgar parcial não é bom” Pr 24;23
Sendo assim, Amados, devemos ser vigilantes quanto a qualquer julgamento. O nosso parecer deve sempre seguir o que é dito pela Palavra de Deus. Mesmo assim, devemos ser cautelosos!
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Teologia da Conformidade 244
A Misericórdia e a compaixão de Deus.
Disse Deus a Moisés: Terei misericórdia de quem aprouver ter misericórdia e compadecer-me-ei de quem me aprouver ter compaixão” Rm 9,15
Sabemos que o nosso Deus é rico em misericórdia e tem sido paciente para com os homens que de forma acintosa transgridem os seus mandamentos, praticando coisas abomináveis. Deus é paciente para com a humanidade de ainda retardar o juízo sobre toda a terra.
As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; renovam-se cada manhã.” Lm 3,22 e 23.
Porém até quando o Senhor irá reter o juízo sobre os homens?
Até quando o Senhor deixará o homem agir de forma insensata e louca?
Não sabemos!
Sabemos de uma coisa!
É a igreja do Senhor Jesus Cristo que está retardando o juízo de Deus sobre a terra. Esse juízo será tão avassalador que até os céus serão abalados.
Para ciência, pelas constantes observações do espaço sideral, a terra poderá ser afetada pelas constantes alterações do universo.
Os profetas do antigo testamento, já relatavam tais fenômenos que vão acontecer.
Isaias relata no capitulo 13; 9 a 11: ”Eis que vem o dia do Senhor, dia cruel, com ira e ardente furos, para converter a terra em assolação e dela destruir os pecadores. Porque as estrelas e constelações dos céus não darão a sua luz; o sol logo ao nascer, se escurecerá, e a lua não fará resplandecer a sua luz. Castigarei o mundo por causa da sua maldade e os perversos, por causa da sua iniquidade; farei cessar a arrogância dos atrevidos e abaterei a soberba dos violentos”.
No século XIX e no início do século XX, achava-se que o universo era infinito e eterno. Hoje, sabe-se que o universo teve um começo e terá um fim. A ciência mesma comprova isso. Muitos céticos quando liam na Bíblia tais passagens, achavam que era delírio do profeta. Que isso nunca iria acontecer. Hoje com o conhecimento adquirido pelas constantes observações do espaço sideral, tais comprovações são verdadeiras e reais. Hoje não se tem duvida que algo mencionado por Isaias e outros profetas, tem grande chance de acontecer.
Isaias continua: “Portanto, farei estremecer os céus; e a terra será sacudida do seu lugar, por causa da ira do Senhor dos Exércitos e por causa do seu ardente furor”. Is 13;13
A dimensão da ira do Senhor será tão grande, que absolutamente tudo será abalado e deixará de existir.
Qual livro entre as demais religião poderia proferir revelações tão assustadoras e com tanta precisão?
Como então é grande a responsabilidade da igreja para esse mundo, que através da sua ação possa retardar o juízo de Deus sobre toda terra?
Por isso, Jesus sempre alertava: Vigiai e orai para não serdes pego de surpresa!
Para que você e eu não venhamos ser negligentes com a ordenança do Senhor. Deixarmos de nos congregar. De termos tempo para Deus. Deixarmos as demais coisas e priorizarmos o reino de Deus e a sua justiça!
Sabemos que Deus jamais inocenta o culpado (Na:1;3). Aqueles os quais estiverem despercebidos serão tragados pelo juízo de Deus juntamente com os ímpios.
Porque aos que me honram, honrarei, porém os que me desprezam serão desmerecidos” 1 Sm 2;30.
Jesus alerta: “Acautelai-vos por vós mesmos, para que nunca vos suceda que o vosso coração fique sobrecarregado com as preocupações deste mundo, e para que aquele dia não venha como um laço. Pois há de sobrevir a todos os que vivem sobre a face da terra. Vigiai, pois, todo tempo, orando para que possais escapar de todas estas coisas que têm que suceder e estar em pé na presença do filho do homem”. Lc 21; 34 a 36.
Amado, vigiemos em tudo que a Palavra de Deus nos alerta, para que não sejamos negligentes, para quando a trombeta tocar estejamos preparados para subir com o Senhor. Procuremos nos apresentar diante de Deus aprovados, como obreiros que não tem do que se envergonhar, que manejemos bem a palavra de verdade. Devemos aproveitar o tempo que nos resta para anunciar a Palavra da Verdade. Devemos no apartar das injustiças, pois o iníquo não herdará o Reino dos céus. Não sejamos coniventes com os pecados de outrem e nem de forma alguma imponhamos precipitadamente as mãos sobre aqueles que não andam de acordo com que a Palavra ordena, para que não nos tornemos cumplices de seus pecados. Devemos sim, nos conservar puros! ( 2 Tm 2;1 5 e 1 Tm 5;22)
Halleluyah!
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges