Tradutor

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Teologia da Conformidade 307
Aquele que sonda mentes e corações e nos dá folego de vida.
Assim diz Deus, o Senhor, que criou os céus e os estendeu, formou a terra e a tudo quanto produz; que dá folego de vida ao povo que nela está e o espirito no que andam nela. Is 42; 5
O Homem difere dos demais animais, porque o homem é semelhante àquele que o criou.
Ao Deus o criador; fomos feitos a sua imagem e a sua semelhança e está capacidade, nos faz diferente, pois, temos a capacidade de interagir com Ele, enquanto os demais animais não têm. Temos a capacidade divina de criar, projetar, ter ideias, construir, fazer, ter e também de dar.
Só a função de criar é única. Pois, o homem tem a capacidade de resolver problemas, criar soluções, vencer desafios, conhecer e buscar aquilo que é desconhecido.
O homem tem a capacidade de pensar e de refletir. O homem tem consciência!
O que é a consciência do homem?
Para ciência e para o mundo, não há como explicar o que é a consciência. Pois, a natureza da consciência é um mistério impressionante, chegando a ser comparado para alguns – como problema mais difícil da humanidade. Segundo Wikipédia afirma em sua versão em inglês; ”É o aspecto mais misterioso de nossa vida.” Os filósofos sangram para “compreender a natureza da consciência”.
Como algo metafisico está presente em todas as pessoas. Dizer que ninguém pensa ou mesmo dizer que não tem consciência é um absurdo!
É estranho, porque sabemos exatamente o que é consciência. É algo familiar para todo mundo. Tal como: experimentar emoção, dor, compreensão do que a pessoa diz, vê, ouve, toca, saboreia ou sente. É na verdade, a única coisa no universo cuja natureza intrínseca que podemos dizer que conhecemos. Não é em absoluto um mistério.
A Palavra de Deus é bem explicita quando se refere à consciência, pois algo que Deus colocou em todo ser humano. Mesmo para aqueles que se dizem céticos.
Quando, pois, os gentios, que não têm lei, procedem, por natureza, de conformidade com a lei, não tendo lei, servem eles de lei para si mesmos. Estes mostram a norma da lei gravada no seu coração, testemunhando-lhes também a consciência e os seus pensamentos, mutuamente acusando-se e defendendo-se, no dia que Deus, por meio de Cristo Jesus, julgar os segredos dos homens”. Rm 2; 14 a 16 – O homem traz em si mesmo a consciência do que é certo e do que é errado. Mesmo para aqueles que não acreditam em um Deus criador, eles não podem negar a consciência que o acusa quando fazem algo de errado.
Como então sublimar o que consciência do homem lhe vem acusar?
O “deus” deste século cauteriza a consciência das pessoas para que elas não cheguem à verdade. “Pela hipocrisia dos que falam mentiras e que tem cauterizada à própria consciência.” 1 Tm 4;2
Tal argumento da consciência já faz a diferença do homem para os demais animais.
Como então, alguns continuam afirmar que homem é produto de uma evolução de um primata evoluído?
Outra questão que se refere ao cérebro humano. A sabedoria humana, por exemplo?
Como explicamos aprender e adquirir conhecimento?
Como explicar. Mesmo o mais inteligente dos macacos nunca criou nada. Continua macaco?
Outra questão é esta. Como se origina o pensamento?
Como funciona o centro de memoria do homem?
Em que grau os genes influenciam o comportamento ser humano?
Afinal, de onde vem, sabedoria do homem?
Para ciência há apenas, especulação para tais perguntas.
Como podemos notar, voltamos a nossa atenção para o homem, as perguntas se tornam mais complexas e muitas delas continuam sem respostas por parte da ciência.
O próprio conhecimento humano adquirido de geração a geração é algo extraordinário e fantástico, quando deparamos com a tecnologia conquistada. Para isso, foi necessário, que homens se dedicassem a estudar a natureza e ao próprio homem.
Algo extraordinário foi o domínio do homem de registrar as suas descobertas através de uma linguagem escrita.
O próprio Deus criador procurou se comunicar com a sua obra prima de sua criação, por meio de uma linguagem falada e escrita. O registro que nos proporciona conhecê-lo. Conforme nos aprofundamos no conhecimento da palavra de Deus, ficamos maravilhados com a glória e a capacidade do Criador.
Mesmo para aqueles não acreditam em Deus, ou mesmo não goste de Deus, precisa de Deus para viver.
Pois, ninguém explica a vida, o mundo dos pensamentos ou a consciência do homem e a sua natureza. Não há como explicar!
Para tudo é preciso se ter uma experiência a respeito de algo. Não se pode falar de casamento, por exemplo, se a pessoa nunca foi casada.
Segundo Beltrand Russel, escreveu: “Nada sabemos sobre a qualidade intrínseca dos eventos físicos, exceto quando eles são eventos mentais que vivenciamos diariamente. Quando temos uma experiência consciente, diz ele aprendemos algo sobre a natureza intrínseca das coisas físicas, pois a experiência consciente é por si só uma forma de coisa física”
O mesmo acontece com Deus. Quando o homem se aproxima de Deus com arrogância e prepotência, querendo ter uma experiência com Ele. Chega-se a Ele com conceitos pré-estabelecido baseado em sabedoria humana. Será impossível a esse homem ter comunhão com Ele. Pois, para Deus a sabedoria do homem natural é loucura.
Pelo contrario, Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes; e Deus escolheu as coisas humildes do mundo, e as desprezadas, e aquelas que não são, para reduzir a nada as que são; a fim de que ninguém se vanglorie na presença de Deus.” 1 Co 1; 27 a 29
O mundo cambaleia como bêbedo, estarrecido pelos acontecimentos os quais tem presenciado. Os agentes do sistema do maligno tem pressa, pois, o tempo para eles, está acabando. E com isso querem arregimentar o maior número possível de pessoas para leva-las a perdição eterna.
Porém, Deus está no controle desse mundo. E as trevas nunca irão prevalecer sobre a Luz.
Halleluyah!
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Teologia da Conformidade 306
O dia do Senhor vem como ladrão de noite! – parte 03
Vos convertestes a Deus, para servirdes ao Deus vivo e verdadeiro e para aguardardes dos céus o seu Filho, a quem ressuscitou dentre os mortos, Jesus, que nos livra da ira vindoura.” 1 Ts 1; 9 e 10
É muito importante que venhamos fazer a distinção que existe nas Escrituras referentes ao arrebatamento e a vinda de Cristo Jesus como Juiz e Rei. Os dois eventos não devem ser confundidos. Embora o Senhor Jesus venha do céu em ambas as ocasiões, porém, o arrebatamento e a vinda de Cristo são eventos bem distintos.
Achei interessantes as reflexões feitas por Bruce Anstey em seu Livro “Acontecimentos Proféticos”. 
O Arrebatamento é quando o Senhor vem para os seus santos (Jo 14; 2 e 3). Essa vinda não será percebida pelo mundo, porém, será o resgate dos seus santos que serão levados em glória.
·         O arrebatamento poderá ocorrer a qualquer momento, mas a vinda de Cristo não acontecerá até se completar os sete anos após o arrebatamento.
·         No arrebatamento o Senhor Jesus virá secretamente, num piscar de olhos (1 Co 15;52); porém, a sua vinda Ele virá com poder e glória onde todo olho verá (Ap 1;7).
·         No arrebatamento Ele virá para libertar a Igreja, pois ela é o seu povo celestial (1 Ts 1;10), porém, a sua vinda Ele vem para libertar Israel.
·         No arrebatamento Ele vem nos ares para a sua Igreja, porém, em sua vinda Ele voltará a Terra, aparecendo no Monte das Oliveiras para Israel, que é o seu povo terreno (Zc 14; 4 e 5)
·         No arrebatamento é próprio Senhor Jesus que reúne os seus santos (1 Ts 4; 15 a 18) e (2 Ts 2;1); porém, em sua vinda Ele enviará os seus anjos para reunir os eleitos de Israel (Mt 24; 30 e 31)
·         No arrebatamento Ele levará os crentes para fora deste mundo, deixando para trás os ímpios (Jo 14; 2 e 3); em sua vinda os ímpios são tirados do mundo para julgamento e os crentes (aqueles que tiveram se convertido por meio do Evangelho do Reino que será pregado durante a grande tribulação) são deixados para desfrutar de bênçãos na terra (Mt 13; 41 a 43)
·         No arrebatamento Ele vem para leva os crentes para glória, livrando-os da ira vindoura; em sua vinda Ele vem para derramar de sua ira (Ap 19;15)
·         No arrebatamento Ele vem como Noivo para Igreja que é a Noiva, a qual a receberá para que venha participar das Bodas do Cordeiro (Mt 25; 6 a 10); porém, na sua vinda Ele vem como Filho do Homem com juiz e fará juízo sobre todos aqueles que rejeitaram ( Mt 24; 27 a 28)
·         No arrebatamento Ele vem como a Estrela da Manhã que desponta antes de raiar o dia (Ap 22;16); porém, em sua vinda Ele virá como o Sol de Justiça que é próprio raiar do dia (Ml 4;2)
·         No arrebatamento Ele vem sem quaisquer sinais, pois o cristão deve andar pela Fé e não por vista (2 Co 5; 7); porém, na sua vinda será cercado de sinais extraordinários, pois os judeus pedem sinais (Lc 21; 11; 25 a 27)
·         Nas Escrituras nunca é feita referencia ao arrebatamento como um “Ladrão de Noite”, mas em sua vinda Ele é comparado a um “Ladrão de Noite” ( 1 Ts 5; 2 ; Pe 3; 10 ; Mt 24; 43 e Ap 16; 15 e ; 3; 3)
Na primeira vinda Ele veio para aqueles que eram Seu e os seus não o receberam ( Jo 1; 11). No arrebatamento, Ele virá para aqueles que lhe pertence (Jo 14; 2 e 3).
Na segunda vinda virá como Juiz e Rei para tomar posse daquilo que lhe pertence como herança. “Pois Ele virá como Senhor entre as suas miríades”. (Jd 1; 14)
Sendo assim, estejamos atentos para toque da trombeta, pois, não sabemos a hora e nem o dia de sua vinda. Estejamos em constante vigilância, em oração para que esse dia não nos venha pegar de surpresa.
Lembremo-nos das palavras do Apostolo Paulo: “Porquanto vós todos sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite, nem das trevas. Assim, pois, não duramos como os demais; pelo contrario vigiemos e sejamos sóbrios, revestindo-nos da couraça da fé do amor e tomando como capacete a esperança da salvação.” 1 Ts 5; 5 a 8

Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sábado, 23 de setembro de 2017

Teologia da Conformidade 305
O dia do Senhor vem como ladrão de noite! – parte 02
Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, guarda-o e arrepende-te. Portanto se não vigiares, virei como ladrão, e não conhecerás de modo algum em que hora virei contra ti.” Ap 3; 3
A referência que Jesus faz a Igreja de Sardes, a qual alertava para que essa Igreja viesse acordar da sua inércia espiritual e se arrependesse. A característica dessa igreja era de ser uma igreja carnal. Tal exortação para essa igreja é de juízo para aqueles que dentro da igreja não venham se arrepender e não do arrebatamento.
Outra referencia no livro de apocalipse está no capitulo 16, versículo 15: “Eis que venho como vem o Ladrão. Bem aventurado aquele que vigia e guarda as suas vestes, para que não ande nu, e não se veja a sua vergonha,” – Tal referência ocorre entre a sexta e a sétima taça do juízo. Desta forma, dezoito dos dezenoves juízos da Tribulação já aconteceram. Como a última taça de juízo está associada à preparação para a segunda vinda de Jesus Cristo, ela é uma admoestação para os santos da Tribulação observar os sinais que apontam para o retorno de Cristo, o que está descrito na segunda metade de capitulo 19. Esta certamente não é uma referencia ao Arrebatamento.
A figura do ladrão na noite não se aplica ao arrebatamento. Tal linguagem é geralmente descrita com referência aos incrédulos e ao juízo de Deus. A figura do ladrão na noite mostra que ela se aplica aos incrédulos, aqueles que serão pego de surpresa, uma vez que eles nunca creram em Deus e nem na sua Palavra. Deus julgará esse mundo caído. O incrédulo, pensa que vai sair impune, mesmo ignorando a Deus e a sua Palavra por toda a sua vida, portanto, para ele, Deus não é um fator decisivo, pensa ele.
Porém, advertência que a Bíblia faz a este mundo que jaz no maligno, que o juízo de Deus virá. E a figura que ela usa é de um ladrão na noite, quando o individuo é pego de surpresa quando é roubado. Ser roubado é um acontecimento que interrompe o estado normal ao se voltar para a casa todos os dias, e encontrar a casa arrombada e saqueada.
O incrédulo nunca estará preparado, porque ele se deixará levar pelo engano e a mentira, dos agentes de Satanás. O incrédulo não acredita que Deus responsabilizará por seus erros. É por isso que tem se multiplicado, aqueles que alegam que Deus é amor e que todos serão salvos e irão todos para o céu, independentes se creem ou não, como afirma a corrente do Universalismo. 
Quando do arrebatamento da Igreja, muitos serão pegos de surpresa. Pois, para eles os cristãos são malucos e nem por perto, aceitam que a Bíblia está certa e fala a verdade. Todavia para nós que cremos e que conhecemos a verdade, não nos surpreende atuais acontecimentos do cumprimento das profecias bíblicas que estão se desenrolando.
É muito importante entendermos a distinção que existe nas Escrituras entre o arrebatamento e a vinda de Jesus Cristo. Os dois eventos não devem ser confundidos. Embora, o Senhor venha do céu em ambas as ocasiões o arrebatamento e a vinda de Cristo Jesus são eventos bem distintos.
Jesus Cristo virá como juiz como afirma a palavra: “Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória.” Mt 24;30
O mundo que jaz no maligno, reluta em aceitar que Deus fará justiça. Por isso, Satanás tem enviado os seus demônios, para proclamar um “falso evangelho”, para enganar os incautos. A própria palavra adverte tal estratégia.
Ora, o Espirito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios.” 1 Tm 4;1
Assim como, no meio do povo, surgiram falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos mestres, os quais introduzirão, dissimuladamente, heresias destruidoras, até o ponto de renegarem o Soberano Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmo repentina destruição. E muitos seguirão as suas praticas libertinas, e, por causa deles, será infamado o caminho da verdade; também movidos por avareza, farão comercio de vós, com palavras fictícias.” 2 Pe 2; 1 a 3
Tais profecias estão se cumprimento cabalmente diante dos nossos próprios olhos. Quantas heresias destruidoras têm surgido no meio da Igreja com o proposito de desviarem a muitos da verdade. Os falsos mestres que introduzem “teologias espúrias” inspiradas por espíritos enganadores.  O comércio que alguns fazem com a palavra de Deus, usando a cobiças das pessoas para leva-las ao engano e assim enriquecerem.
É pertinente o que Paulo exorta a Timóteo: “Conjuro-te, perante Deus e Cristo Jesus, que há de julgar vivos e mortos, pela sua manifestação e pelo seu reino: prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda longanimidade e doutrina. Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina, pelo contrario, cercar-se-ão de mestre segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos; se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se ao engano.” 2 Tm 4; 1 a 4
Tal profecia está se cumprindo de forma fidedigna em nossos dias. Por isso, amados, vigiemos e oremos para sejamos vasos de Deus para levarmos as boas novas do Evangelho do Reino, para aqueles que suspiram pela Palavra da Verdade, aquela a qual Jesus afirmou: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. Jo 8;32
Halleluyah!
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Teologia da Conformidade 304
O dia do Senhor vem como ladrão de noite! – parte 01
Pois, vós mesmos estais inteirados com precisão de que o Dia do Senhor vem como ladrão de noite” 1 Ts 5;2
A vinda do Senhor será de forma repentina e inesperada para Igreja o qual esse evento é chamado de Arrebatamento. Existem duas interpretações referentes à que Paulo menciona. Uma é o do Arrebatamento da Igreja e outro para segunda vinda do Senhor Jesus.
Porém, sabemos que o Dia do Senhor, especificamente, está relacionado ao juízo de Deus para esse mundo.
Quando andarem dizendo: Paz e segurança, eis que sobrevirá repentina destruição, como vêm as dores de parto à que esta para dar à luz; e de nenhum modo escaparão”. ( 1 Ts 5; 3)
A primeira refere-se à ideia do “Ladrão” – Tal expressão é usada sete vezes no Novo Testamento. O próprio Senhor Jesus usou essa expressão: “Um ladrão vindo no meio da noite” (Mt 24;43 e Lc 12;39) – A ilustração é de um Pai de família. Tal expressão está relacionada com a segunda vinda de Jesus. Essa vinda será para o mundo, e para os incrédulos que serão surpreendidos. As dores do parto o qual Paulo se refere, tem haver com juízo de Deus para esse mundo. Como uma mulher que vai dar a luz, ela é surpreendida pelo principio das dores, que vão aumentando gradativamente, ficando mais e mais fortes em intervalos menores. Assim o mundo sofrerá com os juízos de Deus, cada vez mais crescentes em intervalos menores. De nenhum modo escaparão.
Tal evento tem haver também, com o povo de Israel. A vinda de Jesus como o Messias de Israel. Sabemos que a grande tribulação vem para Israel e é chamada “O tempo de angustia de Jacó” que corresponderá a sete anos, conforme as profecias do Profeta Daniel, com proposito que Israel reconheça que Jesus é o Messias de Israel.
Paulo continua: “Mas vós irmãos, não estais em trevas, para que esse dia como Ladrão vos apanhe de surpresa; porquanto vós sois filhos da Luz e filhos do dia; nós não somos da noite, nem das trevas.” 1 Ts 5; 4 e 5 – Após o apostolo Paulo falar com referencia aos incrédulos, o texto usa uma conjunção – MAS, que faz toda diferença. Nestes versículos, Paulo fala aos irmãos: Mas vós não estais em trevas para serem pegos de surpresa pelo Dia do Senhor, como se esse viesse como ladrão para trazer algum dano. Os filhos da luz não serão surpreendidos, mesmo porque não estarão mais aqui neste mundo. Os salvos em Cristo Jesus esperam pelo Senhor como se espera o noivo. A diferença é que aquele que vem como ladrão vem na forma de ataque e o noivo chama a noiva para se encontrar com ele, para participar das bodas do Cordeiro.
Existe outra passagem que Paulo se refere ao Arrebatamento. “Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; e depois, nós os vivos, os que ficarmos seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor.” 1 Ts 4; 16 e 17
Segundo John MacArthur - “Paulo usa a frase transitiva do grego “peri de”, essa palavra indica mudança referente aos tópicos dentro do mesmo tema geral da profecia. A expressão aponta para ideia de que um contexto mais amplo sobre o tempo final da vinda do Senhor Jesus, o tema está mudando de uma discussão a respeito do arrebatamento dos cristãos para o julgamento dos incrédulos”.
Referencia que Paulo faz do “Dia do Senhor”, que vem como Ladrão de noite, tem haver com o juízo de Deus para esse mundo e o seu julgamento. O Arrebatamento não é mencionado como algo que vem como ladrão à noite.
A expressão “Paz e Segurança”, quando de repetente vem à destruição, pegando o mundo de surpresa. – Os incrédulos são descritos como “Os filhos das trevas” – serão aqueles que serão pegos desprevenidos e despreparados. Isso ocorrerá na Grande Tribulação. Esses experimentarão a ira de Deus, durante esse período.
Porém, para os Eleitos de Deus a palavra afirma: “Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para recebermos a salvação por meio de Nosso Senhor Jesus Cristo.” 1 Ts 5; 9
Esse será o livramento que Deus dará para a Igreja, o seu Arrebatamento.
O Profeta Isaias nos dá esta referencia a respeito dos homens piedosos: “Perece o justo, e não há quem se impressione com isso; e os homens piedosos são arrebatados sem que alguém considere nesse fato; pois o justo é levado antes que venha o mal e entra na paz.” Is 57; 1 e 2
O apostolo Paulo exorta aos crentes que vivam em conformidade com a posição de benção que ocupam, pois, não serão surpreendidos pela vinda do Senhor.
Assim, não durmamos como os demais; pelo contrario, vigiemos e sejamos sóbrios. Nós, porém, que somos do dia, sejamos sóbrios, revestindo-nos da couraça da fé e do amor e tomando como capacete a esperança da salvação.” 1 Ts 5; 6 e 8
Estejamos sempre vigilantes e sóbrios com relação aos acontecimentos. A Palavra de Deus nos exorta para alguns fatores que nos darão o entendimento dos sinais, dos tais eventos. Apliquemos cada vez mais na pratica da piedade e da oração.  Busquemos as coisas do alto, estejamos preparados com azeite em nossa botija.
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sábado, 9 de setembro de 2017

Teologia da Conformidade 303
Aquele que nos auxilia é poderoso!- parte 5
Mas um só é o mesmo Espirito que realiza todas essas coisas, distribuindo-as, como lhe apraz, a cada um, individualmente.” 1 Co 12; 11
Ora, a graça foi concedida a cada um segundo a proporção do dom de Cristo. Com proposito do aperfeiçoamento dos santos para o desempenho de seu ministério para edificação do corpo de Cristo. (Ef 4; 7 a 12)
A indicação para cada serviço vem do Espirito Santo: “E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profeta, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres.” Ef 4; 11 – “Tudo com objetivo para que todos cheguem à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo.” Ef 4; 13
Por isso, a exortação do apostolo Paulo é pertinente para que busquemos os melhores dons. Para isso é preciso conhecê-los.
Para isso vamos agrupar os dons em três grupos distintos:
O Primeiro é o dom da Revelação: Abrange a Sabedoria; a palavra do Conhecimento e o Discernimento do Espirito.
A Sabedoria; A sabedoria vem do temor do Senhor. Se a pessoa é piedosa e temente a Deus, ele visita essa pessoa com o dom da Sabedoria. Podemos assim, encontrar pessoas iletradas, porém, possuem uma sabedoria incalculável. (2 Pe 3;15; Pv 9;9 ; At 7;10 e Cl 1;28)
A Palavra do Conhecimento: esse dom ter haver com a revelação. Quando o Espirito revela algo que é oculto e só a pessoa que foi revelada sabe, pois é algo pessoal da sua vida. (At 13; 9 a 11)
O Discernimento do Espirito – (1 Co 12;10) Esse dom tem haver de perscrutar o mundo espiritual para que a pessoa não seja enganada. Esse dom livra de situações embaraçosas.
Temos também o dom de Expressão; Refere-se a Línguas (1 Co 12;10);a um variedades de línguas; Interpretação (1Co 12;110) e a capacidade de interpretá-las;  e Profecia. (1 Co 14; 4) pois aquele que profetiza edifica a igreja.
O Segundo do dom de Poder: Que são a Fé, a Cura e os Milagres.
- A Fé: Foi pela Fé em nome de Jesus, é que esse mesmo nome fortaleceu a este homem que agora vedes e reconheceis; sim a fé que vem pelo nome de Jesus deu a este saúde perfeita na presença de todos vós. At 3; 16 e 17
- A Cura: (At 14; 8 e 9)Em Listra, encontrava-se um homem aleijado que desde o seu nascimento não pudera andar. Esse homem ouviu falar de Paulo, que, fixando nele os olhos e vendo que possuía fé para ser curado, disse-lhe em alta voz: Apruma-te direito sobre os pés! Ele saltou e andava.
- Milagres: (At 19; 11) E Deus, pelas mãos de Paulo; fazia milagres extraordinários.
O Terceiro refere-se a função dons do Espirito:
- Edificam (1 Co 14; 3 e 4)) Mas o que profetiza fala aos homens edificando, exortando e consolando, para que a Igreja seja edificada.
- Fortalecem (Rm 1; 11) Desejo vê-los a fim de repartir convosco algum dom espiritual para sejais confirmados.
- Proveito (Ef 1; 12) com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para desempenho do seu serviço para edificação do corpo de Cristo.
O dom de língua edifica a si mesmo (1 Co 14;4) – devemos orar diariamente e se puder varias vezes ao dia, andando, dirigindo, nas pausas, e até mesmo trabalhando, de madrugada, etc...
Deve-se usar a língua na hora que você quer, pois, a língua é sua. Quando se fala em línguas estou colocando na mão do Senhor, para que ele edifique a mim mesmo, para que ele traga sobre mim aquilo que eu preciso. A minha mente ainda não nasceu de novo, ainda não houve a redenção completa. Apresentamos ainda fraquezas, duvidas vacilos, temos inseguranças, temos medo, nos não somos perfeitos. Temos diante de nós a estatura do varão perfeito para que possamos alcançar. Isso não quer dizer que eu alcancei. São níveis espirituais. Ninguém é igual ao outro. Ninguém tem a mesma fé do outro. Cada um tem um nível de fé. Porque a fé vem pelo conhecimento, e cada um tem o conhecimento da palavra. (Há necessidade de se buscar o conhecimento) Então também a língua expressa àquilo que estamos precisando para esse momento. Quando você ora em línguas, Paulo afirma que você ora de fato. Deus sabe! Quando se ora em línguas é Deus quem dirige a oração para um determinado fim.
Quando oramos em línguas somos edificados e nos livra de algum laço do inimigo;
Orar em línguas faz: livra-nos de acidentes; revela a palavra; e revela o entendimento.
Para que tenhamos acesso aos dons do Espirito Santo é preciso:
        - Nascer de novo no Espirito (Jo 3;3);
        - Estar vivendo e testemunhando em santidade e ser discípulo fiel de Jesus;
        - Que o crente alcance maturidade no conhecimento, na fé e na obediência;
        - Crer nos dons, está aberto às manifestações do Espirito Santo.
Como podemos receber os dons do Espirito Santo?
         - Recebendo o doador dos dons que é Jesus. Dando testemunho dele que nos batiza com Espirito Santo; “Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espirito Santo, e sereis minhas testemunhas”.(At 1; 8)
         - Pedindo (1 Co 12;31) – Entretanto, procurai com zelo, os melhores dons.
Obs: Há dons que são instantâneos – Como dons de milagres, dons de discernimento de espirito.
Há dons que são permanentes. Exemplo: Ministério apostolar; (ser apóstolo, ser pastor); o dom de falar em línguas é permanente;
        - Como apraz o Espirito – 1 Co 12;11
        - Procurando com zelo os melhores dons – 1 Co 12;31
        - Vigilância naquilo que falamos. A palavra seja para edificação.
        - Dê glória sempre, e em tudo dê graças ao Senhor em qualquer circunstancias.
        - Quem fala em línguas edifica a si mesmo e coloca na mão de Deus o que Ele quer realizar.
Amados! Com que esse breve estudo, oro ao Senhor para que você seja edificado e esclarecido no que se refere ao Espirito Santo e aos seus dons. Proposito maior é a edificação da Igreja do Senhor Jesus Cristo.
Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele eu é a cabeça, Cristo, de quem todo corpo, bem ajustado e consolidado pelo auxilio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para edificação de si mesmo em amor.” (Ef 4; 15 e 16)
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה

Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Teologia da Conformidade 302
Aquele que nos auxilia é poderoso!- parte 4
Nisto reconheceis o Espirito de Deus; todo espirito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus.” 1 Jo 4; 2
A Ação do Espirito Santo de Deus na Igreja é bem especifica. E os resultados desta ação podem ser identificados pela glorificação de Jesus Cristo. A santificação da Igreja e a proclamação do Evangelho do Reino, também fazem parte desta ação.
O Espirito Santo nos levará a verdade, pois Ele é o Espirito da verdade. Fica claro que, a verdade da Palavra de Deus é o material usado pelo Espirito Santo para convencer do pecado da justiça e do juízo. É pela Palavra de Deus que vem a fé e a consolidação do caráter de cada discípulo.
É fácil identificar aquele que é usado pelo Espirito Santo. “Nós somos de Deus; aquele que conhece a Deus nos ouve; aquele que não é da parte de Deus não nos ouve. Nisto reconhecemos o espirito da verdade e o espirito do erro.” 1 Jo 4; 6
Como Espirito Santo nos leva à verdade. Todo aquele que conhece a Deus nos ouvirá, pois, saberá que aquilo que está ouvindo vem da parte de Deus, pois o Espirito testifica disso.
Vivemos em tempos trabalhosos, onde a verdade está sendo escamoteada, para que a mentira seja aceita como verdade. Porém, a Palavra afirma: “porque mentira alguma jamais procede da verdade”. (1 Jo 2;21)
Sabemos que a arma do maligno é o engano e a mentira. Porém, o maligno tem a seu favor, a carne que ajuda a convencer. “Pois a carne milita contra o espirito e espirito contra carne, pois são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer”. (Gl 5;17) 
É o Espirito Santo que distribui os dons para edificação da Igreja de Cristo Jesus: “Ora, os dons são diversos, mas o Espirito é o mesmo. E também há diversidade nos serviços, mas o Senhor é o mesmo. Há diversidade nas realizações, mas o mesmo Deus que opera tudo em todos. A manifestação do Espirito é concedida a cada um visando um fim proveitoso”. 1 Co 12; 4 a 7
O primeiro passa para o cristão é buscar o batismo pelo Espirito Santo. A expressão a qual se refere ao batismo do Espirito Santo significa imersão. Ser mergulhado no Espirito Santo. Significa estar cheio, pleno, totalmente imerso no Espirito de Deus. No hebraico a palavra batismo é “TABAL” ou “TABA” – cujo significado é enterrar, afogar.
Quando se fala – Fui batizado com Espirito Santo, não é só falar em línguas.
O Batismo (Tvilah) no Espirito Santo não pode ser entendido só como falar em línguas. A pessoa pode ser batizada no Espirito Santo sem falar em línguas. A pessoa poderá ter o dom do socorro, de administração, de governo, o dom de sabedoria, o dom de conhecimento.
Vamos destacar o dom de falar em línguas estranhas ou variedade de línguas.  A palavra profetizará é falar em línguas. A pessoa pode profetizar e falar em línguas.
A profecia poder ser de exortação, correção, ou algo que vai acontecer. Porém, é necessário que a pessoa tenha controle ao profetizar. O apóstolo Paulo, pede que a pessoa tenha equilíbrio. 
O inimigo pode usar as línguas estranhas. O judeu ortodoxo quando ao recitar os salmos pode falar em línguas estranhas.
O apostolo Paulo nos exorta em 1 Co 12;1 - “A respeito dos dons, não quero, irmãos que sejais ignorantes”.
A palavra dons – que dizer presentes, manifestação, com o Espirito Santo quando recebemos por ocasião do novo nascimento. (Jo 3;3)
Não confunda o Espirito Santo habitando em mim é quando eu aceito Jesus, quando eu nasço de novo (Jo 3;3). Você nasce no Espirito. A partir desse momento Deus começa a morar em nós. - Não confunda a manifestação do Espirito com o Espirito Santo. O Espirito Santo você recebe na hora que você nasce de novo. Quando você recebe Jesus e se arrepende e muda de vida, ali você recebeu o Espirito Santo.  Paulo fala em coríntios que você passa a ser templo do Espirito Santo. Eu posso estar em Jesus e ainda não ter tido manifestação dos dons do Espirito Santo.
O apostolo Paulo nos exorta a buscar os melhores dons: “Entretanto, procurai com zelo os melhores dons.” 1 Co 12; 31
Precisamos ter uma atitude de responsabilidade com referencia aos dons do Espirito Santo. Os dons não nos pertence. Esses dons são concedidos para edificação do corpo de Cristo Jesus.
Paulo adverte para não sermos ignorantes. Alguns afirmam que as manifestações dos dons do Espirito Santo só valeram para época dos apóstolos. Afirmar isso é um erro. Enquanto o Espirito Santo estiver atuando na Igreja, os dons serão distribuídos para edificação da Igreja em nossos dias. O que aconteceu na época dos apóstolos acontece hoje. E nos tempo em que vivemos os dons são necessários para neutralizar as trevas e ação do Maligno e de seus demônios.
Não devemos ser negligentes (1 Tm 4; 14) – não dar valor, ou não dar importância.
Devemos desejá-los (1Co 12;31) – é preciso querer esses dons. Busca-los com zelo com proposito de ser um vaso, que o Espirito possa usar para edificação da Igreja.
Reavivamos esses dons quando nos aplicamos em jejum e oração com esse proposito.
Amados! Voltaremos posteriormente a falar dos dons do Espirito Santo, nas próximas publicações.
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges

sábado, 26 de agosto de 2017

Teologia da Conformidade 301
Aquele que nos auxilia é poderoso!- parte 3
Não entristeçais o Espirito de Deus, no qual foste selados para o dia da redenção” Ef 4;30
Um dos aspectos do Ministério do Espirito Santo está diretamente relacionado no processo de santificação do discípulo de Cristo.
Só pela ação do Espirito Santo é possível dominar a nossa carne. Porém, aqueles que andam na carne cogitam das coisas da carne; mas aqueles que os que se inclinam para o Espirito, das coisas do Espirito. Sabemos que o pendor da carne dá para morte, mas o do Espirito para vida e paz. Não tem como uma pessoa na carne, agradar a Deus, pois, o pendor da carne é inimizade com Deus. (Rm 8; 5 a 8)
Fica claro que uma pessoa carnal não poderá usufruir das conquistas de Cristo obtida na cruz do calvário. Quando uma pessoa ainda anda fazendo a sua própria vontade, é rebelde e obstinada, tal pessoa ainda está na carne. Para ela, os dons espirituais serão estranhos. Pois, é necessário que ela tenha comunhão com Espirito Santo.
Quando o Homem tem um verdadeiro encontro com Jesus, o Espirito Santo entra em ação na sua vida convencendo do pecado, da justiça e do juízo. Este passa a ter uma visão real da sua situação.
Ele passa a ver que é pecador, que precisa se arrepender e se humilhar diante de Deus, reconhecendo a sua real natureza de um homem perdido.
O Espirito Santo passa a trabalhar em seu caráter com a finalidade de restaurar esse homem, para que ele possa compreender o proposito de Deus para sua vida. Proposito esse, de que ele seja um adorador de Deus. Esse homem nasce de novo. Começa a ter uma nova vida e passa por um novo nascimento.
O Espirito Santo tem capacitado a Igreja, nas mesmas obras que Jesus realizava.
É necessário a que venhamos entender que isso só é possível se estivermos em Cristo Jesus. Deus tem obras para fazer através de nós. Mas essas obras só serão feitas se estivermos em Cristo Jesus. Deus nada fará separado de Cristo, pois toda glória deve ser dada a Ele. Toda experiência de Cristo Jesus passou a ser a nossa experiência.
Senso assim, para que possamos ser adornados com os dons do Espirito Santo é preciso estar plenamente em Cristo Jesus, para que as obras que ele fez, venhamos a fazer.
É muito importante saber que Deus não divide a sua glória com ninguém. E toda glória deve ser dada a Ele. Somos apenas vasos que pela misericórdia de Deus, o Espirito usa para edificar a Igreja de Cristo Jesus.
Os apóstolos passaram a compreender após serem batizado pelo Espirito Santo, que o seu proceder deveria ser semelhante ao de Jesus e fazer as obras que Ele fez. Após a partida de Jesus o Espirito Santo foi enviado para dar continuidade à obra que Jesus começou e glorificar a sua pessoa.
A convivência diária dos discípulos com Jesus os levou a cada um deles, após o batismo com Espirito Santo, de ser como Jesus e buscar a perfeição. E essa perfeição consistia em; amar como Deus ama; fazer as obras que Jesus fez; e de proclamar o amor de Deus a todas as pessoas.
Algumas características do caráter de Jesus, era dele ser humilde e discreto.
O Batismo do Espirito Santo nos reveste de poder. É algo sobrenatural que nos faz mudar a nossa atitude. Constatamos isso ao lermos em atos capitulo 2; 4 :”Todos ficaram cheios do Espirito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espirito Santo lhes concedia que falassem”- As suas atitudes passaram a ser outra. Pedro juntamente com os demais discípulos, passou destemidamente a pregar as pessoas que se encontravam em Jerusalém, afirmando que Jesus era o Messias prometido para Israel. Mesmo sendo perseguidos pelo Sinédrio, com açoites e ameaça de morte, não se calaram e continuaram a proclamar as virtudes de Jesus.
Muitos pensam que ser testemunha de Jesus, consiste em falar aos outros, o que Jesus fez ou tem feito na sua vida. Porém, a compreensão de At 1;8, vem nos dizer que: ser testemunha de Jesus, é muito mais do que isso. O entendimento é. Que ser testemunha de Jesus é ser a própria expressão da própria pessoa de Jesus. Consiste sim; Em as pessoas olharem, ver Jesus em seus discípulos. O estilo de vida daqueles que se consideram discípulos de Jesus tem que ser parecido com estilo de vida que Jesus teve na sua passagem pela terra.
Essa deve ser a nossa obsessão. Ser a imagem de Jesus. Refletir a sua semelhança para que as pessoas possam perceber nas nossas atitudes e no nosso posicionamento o seu caráter.
O nosso alvo é Cristo! A nossa vida é Cristo!
Estamos de passagem por esse mundo. Como apóstolo Pedro menciona: ”Amados, exorto-vos, como peregrino e forasteiro que sois, a vos abstenhais das paixões carnais que fazem guerra contra a vossa alma” 1 Pe 2; 11
Estamos numa jornada em direção ao céu. Temos que nos preocupar em agradar aquele que nos arregimentou. 2 Tm 2;4
Os dons são diversos, mas o Espirito é o mesmo. (1 Co 12;4)
E há diversidade nos serviços, mas o Senhor é o mesmo. ( 1 Co 12;5)
E há diversidade de realizações, mas o mesmo Deus é quem opera tudo em todos. 1 Co 12;, 6
A manifestação do Espirito é concedida a cada um visando a um fim proveitoso. 1 Co 12; 7 
Temos algumas vezes confundido o serviço com o caráter. O serviço tem haver com a função que cada um exercer no corpo. Claro que o serviço conta, porém, o fundamental para Deus é o caráter que devemos ter, semelhante ao de seu Filho. O nosso objetivo maior é pelo menos nos aproximar do caráter de Cristo. Isto tem muito haver com o fruto do Espírito, o qual Paulo menciona. “Mas o fruto do espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé (fidelidade), mansidão, domínio próprio. Contra essas coisas não há lei”. (Gl 5; 22 e 23)
Devemos incansavelmente buscar atingir esse caráter ou mesmo chegar perto de forma diligente. Alguns podem até pensar que isso é impossível. Que só aqueles que são campeões na fé, chegaram perto, como Pedro, Paulo e João. Mas Deus requerer de cada um que se diz seguidor de Jesus Cristo, esse caráter.
Pensamos algumas vezes que a busca dos dons é fundamental no que tange ao caráter do cristão. Bem! A Sagrada Escritura, nos alerta que, para Deus, o que importa é ver em cada um de nós a imagem e a semelhança de Jesus Cristo seu Filho.
O apóstolo Paulo enfatiza qual a importância dos dons tem como objetivo o aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para edificação do Corpo de Cristo, até que todo chegue à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à medida da estatura da plenitude de Cristo. (Ef 4;12,13)
Passamos então compreender que Deus concede dons aos homens, para que estes possam exercer o seu ministério (serviço), com fim de que o Corpo de Cristo seja edificado. Enfim todos os que fazem parte do Corpo de Cristo, precisam chegar à unidade da fé e ao pleno conhecimento de Cristo tendo como fim a estatura da plenitude de Cristo, a dimensão de quem é Cristo Jesus e o que Ele fez e o que ele faz por nós.
Ser então um apóstolo, profeta, evangelista, pastor ou mestre, é serviço exercido por alguns com a finalidade fim, de edificar a igreja de Cristo. Porém, isto, nada tem haver com caráter que Deus requer de cada um de nós. Estes que foram chamados precisam ter algumas qualidades para que possam exercer tais serviços, isto inclui o caráter cristão aprovado. Mas não serão estes serviços que pesarão na balança na hora do julgamento. Mas sim o caráter aprovado de servo. Aqueles exerceram o ministério como o apóstolo Paulo, que abriu mão de tudo por amor a Cristo Jesus, a ponto de dizer - “Logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim, e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que em amou e a si mesmo se entregou por mim”. (Gl 2;20)
Shalom Plena!
Ministério de Ensino Kehilah - ק ה י ל ה
Pr. Yosef di David Vidigal Borges